Saiba como calcular juros ao mês de maneira correta

0
33

Calculadora de juros

Diversas pessoas têm dúvidas quanto à forma correta de calcular juros ao mês. E não é para menos, pois são muito confundidos os conceitos de juros simples e compostos, que chegam aos resultados errados. Mas há solução para isso, basta conhecer bem a diferença entre os dois sistemas de cobrança e fazer a conta certa para cada caso.

Este artigo mostra como é possível realizar isso. Ao ler o texto, você conhecerá melhor o conceito de juros ao mês. Saberá por quais razões eles existem, além de tomar ciência da diferença entre os juros simples e compostos e a forma correta de calcular cada um deles.

Prossiga na leitura e saiba tudo de uma vez por todas!

O que são juros ao mês?

Um fato extremamente importante e negligenciado por muitas pessoas é que o dinheiro tem um custo. Sim, isso mesmo que você leu, há um custo a se pagar pelo próprio dinheiro.

Na maioria das vezes nós nos esquecemos disso ou sequer sequer nos damos conta que é dessa maneira que funciona o trato com as finanças em geral.

Tal custo do dinheiro está relacionado a diversos fatores. Um deles é sua produção, mas não é ele quem dá origem aos juros. Um dos principais motivos para o dinheiro “custar” algum valor é a imposto que incide sobre a economia de todo e qualquer país.

Segundo esse conceito, a moeda de uma nação perde valor ao longo do tempo, comprando cada vez menos produtos com a mesma quantidade de dinheiro.

Somado a isso há uma importante variável chamada de custo de oportunidade. Segundo esse conceito, existe um rendimento mínimo para o dinheiro e, se ele precisar ser empregado de alguma outra maneira, uma compensação equivalente deve superar esse rendimento mínimo.

É nesse momento que surgem os juros cobrados sobre uma determinada quantidade de capital. Eles são necessários para compensar a perda do poder de compra e o custo de oportunidade, no mínimo.

E faz muito sentido, pois qual seria alguém a finalidade de emprestar dinheiro a, se seu retorno fosse menor do que quando saiu da carteira? Melhor seria deixar em caixa.

No entanto, não é isso o que acontece. Continuamente pessoas e empresas empresariais de Financeiro para cobrir suas necessidades, quer seja a aquisição de um bem, quer seja o cumprimento de como uma folha de pagamento.

Nasce daí o crédito que denominamos de mercado de operações, na qual as taxas de juros são o principal balizador das operações.

Vale lembrar que os juros ao mês são uma taxa que engloba diversas variáveis, dentre elas as já citadas aqui anteriormente (inflação e custo de oportunidade).

A depender do agente de crédito, os custos da operação também podem ser embutidos, bem como o ganho de capital com a cessão de recursos realizados. É para isso que as instituições financeiras existem, conforme veremos a seguir.

Qual é a razão para existirem as taxas de juros?

Algumas variáveis ​​por si só já justificam a existência das taxas de juros. A prova maior disso é que a economia é um organismo vivo e em movimento. Dessa forma, o dinheiro (que faz parte dela) não pode permitir seguir o mesmo fluxo, já que é o seu principal combustível.

Sendo assim, uma das primeiras explicações para a existência das taxas de juros é para o capital circulante na direção correta. E a principal causa disso é compensar o aumento contínuo dos preços, o que se conhece como a inflação.

Sem como taxas de juros compensatórias, em pouco tempo o dinheiro não serviria para absolutamente nada. No entanto, a economia é bem mais econômica que apenas a compensação de compensação.

É nesse momento em que os agentes financiados pela expansão da atividade econômica. Em outros termos, estamos falando do mercado de crédito que, ao contrário do que muitos pensam, não existe apenas para remunerar os proprietários de capital.

Pense em uma família típica pertencente à classe média brasileira. É totalmente normal esperar que seus membros queiram melhorar sua qualidade de vida. Isso provavelmente significa comprar um carro ou mesmo pagar uma casa própria, deixando o aluguel para morar.

No entanto, tais sonhos podem esbarrar na falta do capital total para os bens desejados. É nesse momento que um agente financiador entra em cena e cede um determinado valor ao título de comparando. A família pode assim comprar o carro e a casa que tanto sonharam.

Para isso precisa de mercado. E isso é feito justamente por meio das taxas de juros. São elas que aumentam o capital recebido de volta em troca do comparando realizado.

Agora, mais e mais além, tente ver esse simples como peça de um-cabeça bem financiada a comprar um pouco mais duradouro ao exemplo, o agente de quebra-cabeça crédito permita que mais sejam carros e outras moradias sejam construídas. Para que isso aconteça, é preciso contratar pessoas. Ou seja, seja uma geração de empregos.

Em um aspecto ainda mais amplo, isso inclui também a expansão de empresas de diversos segmentos. Quando uma delas quer ampliar sua produção, pode Recorrer a financiamentos e pagar juros por isso.

Em contrapartida, produzirá mais e contratará mais pessoas para seu funcional. Em resumo, as taxas de juros são responsáveis ​​pelo emprego para os cidadãos.

são quais são as diferenças entre juros simples e compostos?

Claro, é preciso preciso cada um dos tipos de juros mencionados acima. Caso contrário, provavelmente serão errados e um possível planejamento pode acabar dando errado. Mas não há motivo para atenção, pois é tudo muito fácil de entender.

Os juros simples são uma forma didática de explicar o conceito de juros, aproximadamente. Eles não são uma realidade do mercado, pois sempre são aplicados a um capital inicial. Hum comparando de R$ 1 mil com taxa de 10% ao mês levaria a um juro mensal semper de R$ 100,00.

Já no caso de juros compostos, a regra é diferente: os juros incidem sempre sobre o valor apurado no mês anterior, e não no valor inicial.

Assim, no exemplo, os juros de 10% incidiram sobre R$ 1 mil no primeiro mês, pois no segundo dado apenas sobre R$ 1.100,00. Já no terceiro, 10% sobre R$ 1.210,00. No quarto, R$ 1.331,00 e assim por diante. São os famosos juros sobre juros.

Como calcular ao mês?

Depois de entender a diferença entre juros simples e juros compostos, é possível saber que maneiras de encontrar uma taxa mensal de juros a partir da taxa anual é diferente em cada.

O primeiro cálculo é bem mais simples que o segundo, mas nenhum deles é tão complicado assim. Para ilustrar, vamos considerar a mesma taxa ao ano para duas situações: 12%.

Quando se tratam de juros simples, a matemática é bastante simples. Para chegar ao mensal, basta fazer a divisão da taxa anual pelo número de meses equivalentes.

Como um caso mensal de 12 meses, será o percentual indicado ao taxa mensal dividido em 12. Logo, nesse primeiro caso, temos que um taxa de juros mensal será de 12/12 = 1% ao mês.

Você deve estar se mesmo se não seria esse o resultado do cálculo fosse, a taxa de compostagem, não? A verdade é que não é assim, e as contas que habitualmente são compostas de juros como sendo de juros simples simplesmente estão erradas.

Para chegar a uma taxa de juros compostos de 12% ao ano, tenha certeza de que uma taxa mensal não será de 1%. Não mesmo.

Isso porque o conceito de juros sobre juros nos leva a um resultado de 12,68% ao ano se um taxa mensal de 1% ao mês, considerando os juros compostos como no caso da maioria das contas de mercado.

Os juros fazem cartão de crédito, por exemplo, funcionam dessa maneira. Se é assim, qual é a taxa mensal de juros para um resultado de 12% ao ano, então?

Para chegar ao resultado, é preciso uma fórmula matemática um pouco mais elaborada. Ela deve ser testada conforme a seguir.

Taxa mensal = [(1 + taxa anual)^(0,0833) – 1] x 100

Apesar de não ser uma fórmula complicada, é necessário atentar para alguns detalhes para não chegar a um resultado incorreto.

O mais importante deles certamente deve cumprir a ordem de todas as contas. É considerado os parênteses da precisão e funções além da operação das operações precisas.

Assim, devemos começar pela potenciação, para depois fazermos a subtração e, por fim, a multiplicação. Acompanhe por partes como ficaria no caso do nosso exemplo, no qual queremos saber qual é um taxa mensal equivalente para o período de um ano.

Taxa mensal = [(1 + 0,12)^(0,0833) – 1] x 100

Taxa mensal = [(1,12)^(0,0833) – 1] x 100

Taxa mensal = [1,009484 – 1] x 100

Taxa mensal = [0,009484] x 100

Taxa mensal = 0,9484%

É essencial notar que quanto mais casas decimais tivermos depois da vírgula, mais acertado será o cálculo. Quando o valor a ser calculado é pequeno, talvez não veja grande.

Mas em valores maiores, certamente isso tem importância. Assim, a taxa de juros mensais para o valor de 12% ao ano é equivalente a 0,9484% ao mês de juros.

Saber calcular juros ao mês é extremamente importante para um bom controle de finanças. Nenhum compromisso financeiro é necessário para tomar algum tipo de juro abusivo, sem pagar nenhum. Faça uma simulação sem compromisso para entender de que forma pode ter crédito pessoal da melhor forma possível!

Deseja ver uma simulação real de contabilização e quanto você teria disponível? Simule sem compromisso aqui na Supersim!

Simular Empréstimo

Tags do post

Escrito por:

caio

Você também vai gostar:

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here