XP lança conta digital – ISTOÉ DINHEIRO

0
1

Depois de lançar um cartão de crédito, a XP passou a oferecer uma conta digital com diversos serviços financeiros aos clientes. A empresa liderada por Thiago Maffra pretende cada vez mais com cara de ficar banco. O novo produto permite aos clientes realizar transações de TED e Pix, entregas automáticas, entrega de débitos e transações de cartão de débito. Diferentemente dos bancos tradicionais, não há taxas de abertura de conta ou manutenção.A conta digital começou a ser disponibilizada de forma gradual à base de clientes desde terça-feira (21) e vai até outubro. “Esse lançamento é um passo histórico para a XP e parte da estratégia de atender os clientes em tudo. Sabemos que eles ainda carecem de um melhor atendimento”, disse Maffra.

QUEM VEM LÁ
Eneva busca R$ 6,5 bilhões com ações e debêntures

A Eneva busca levantar R$ 6,5 bilhões para investimentos financeiros. Ela vai realizar uma oferta primária (follow-on) primária de 300 milhões de ações ordinárias, no Brasil e no exterior. O preço por ação será determinado após a conclusão do procedimento de coleta de intenções de investimento. Considerando a cotação de fechamento na B3 da quarta-feira (22), de R$ 14,87 por ação, o follow-on pode levantar até R$ 4,5 bilhões. Além disso, a companhia vai oferecer debêntures, com valor unitário de R$ 1 mil. A oferta inicial será de 1,7 milhão de debêntures, com um lote de 340 mil unidades, em um máximo de até R$ 2,04 bilhões.

PRIVATIZAÇÃO
Renúncias no Conselho da Eletrobras

A Eletrobras recebeu no sábado (18) uma carta de renúncia de nove dos 11 membros do seu Conselho de Administração. A justificativa foi a necessidade de os novos controladores indicarem os conselheiros após o processo de capitalização. Entre os que renunciaram está o atual presidente da ex-estatal, Rodrigo Limp, que permanecerá à frente da empresa. A Eletrobras informou que ainda vai convocar uma Assembleia Geral Extraordinária (AGE) em breve para eleger novos conselheiros, sem data marcada.

AGRONEGÓCIO
São Martinho vende menos e ganha mais

A estiagem prolongada na região centro-sul afetou duramente a safra da cana. A quebra na produção em 11,6% as vendas da São Martinho no período de 2021/22. A moagem caiu para 19,9 milhões de toneladas. No entanto, a alta 69,1% nos preços do etanol e de 32,7% nos preços do açúcar no mercado internacional, causado de também pela quebra da safra no Brasil, que compensa a baixa na produção. A receita líquida total cresceu 33,4%, para R$ 5,8 bilhões, incluindo outras atividades como vendas de energia elétrica e leveduras, entre outros. A geração da caixa operacional foi de R$ 1,5 bilhão, com margem de 26,6%, aumento de 65,3% com relação à safra 2020/21.

DESTAQUE NO PREGÃO
Natura troca CEO e iniciativa

Bruno Miranda

A Natura &Co iniciou seu processo de aquisição com a troca do CEO. O comando será assumido por Fábio Barbosa, ex-presidente dos ABN Amro e Santander. Ele já era conselheiro e vai substituir Roberto Marques, que está se aposentando. A troca ocorre em um momento de simplificação na estrutura e reposicionamento das marcas Aesop, Avon International, Natura e The Body Shop. A ideia é reduzir a estrutura executiva e cortar US$ 80 milhões por ano com remunerações. Marques, CEO da Natura desde 2016, fica no Conselho até o fim do ano para auxiliar na transição.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here