Após perder força em maio, o IPCA-15 (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15) voltou a registrar o IBGE em junho, aparecendo em 0 mês0,69% na passagem de preço, informado ao Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta sexta-feira (24). O número é 0,10 ponto percentual (pp) maior que a taxa de maio (0,59%).

O índice é considerado uma “antecipação da inflação oficial”.

O subitem de maior influência na taxa do mês foi planos de saúde, disse o instituto, que subiu 2,99% e representou 0,10 pp no ​​resultado.

Em comparação com junho do ano passado, porém, o índice desacelerou para 12,04%, abaixo dos 12,20% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores.

A mediana das projeções anuais de analistas de mercado apontava para 0,68% na comparação mensal e 12,03%, na.

/IBGE

Todos os grupos de produtos e serviços apresentados em alta em junho, com destaque para o grupo de Transportes, destacaram 0,84%, uma desaceleração em relação a maio (1,80%). O grupo respondeu por 0,19 pp no ​​índice geral.

“A desaceleração do grupo se deu pela queda nos preços em maio (-0,55%), que havia subido 2,05%. Embora tenha sido aumentado em óleo diesel (2,83%), o etanol ea gasolina caíram 4,41% e 0,27%, respectivamente”, disse o IBGE.

Vale mais que o número de junho ainda não reflete o último reajuste feito pela Petrobras sem preço dos produtos químicos.

Entre as altas deste grupo, o institutos destacados aéreos (1,36%), o seguro voluntário de veículo (4,20%) e o emplacamento e licença (1,71%). Também subiram de preço como motocicletas (1,66%), os automóveis novos (1,46%) e os automóveis usados ​​(0,12%).

Já a maior parte do mês foi do grupo Vestuário (1,77% e 0,08 pp).

O destaque como alto, com avanço pessoal é avanço no dos planos de saúde 1,2 e 0,2, entre 7% de atençãojusto e de saúde 1 ,5% autorizado pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) em 26 de maio, com entrega a partir de maio de 2022 e cujo ciclo se encerra em abril de 2023”, diz o IBGE.

No grupo, influenciou também a alta de 1,38% nos produtos farmacêuticos, com impacto de 0,05 pp no ​​índice do mês.

*Em atualização