Boselli vê com preocupação a mudança da Lei das Estatais, que ganha fôlego no Congresso cabeçada por Arthur Lara

O risco político na Petrobrás (PETR3;PETR4) ganhou força e gerentes, que há pouco viam na empresa seus a “galinha de ovos de ouro” da Bolsa, com altos Dividendosagora já começou a se preocupar com ameaças sobre a tese da empresa.

Essa é o caso da 3R Investimentos, do gestor Rodrigo Boselli. Segundo ele, apesar da ação ainda estar barata e com perspectiva de pagar provados, hoje ela carrega mais riscos.

“Ela é muito barata e descontada. Nós temos no fundo [de ações]mas diminuímos bastante a exposição na virada do mês, principalmente por conta da eleição e de uma mudança de comportamento por parte do governo sendo mais contundente e mais preocupado com o tema dos compostos”, argumenta.

Boselli vê com problema uma possibilidade de mudança da Lei das Estatais, que ganha fôlego não Congresso encabeçada pelo presidente da Câmara, Arthur Lara.

“Dependendo da mudança, por exemplo, se você tirar a questão da responsabilização dos executivos e dos conselheiros para os acionistas minoritários, prejudicada a tese de investimento de qualquer empresa estatal. Você abre a possibilidade de erros do passado voltarem a ocorrer dos”, argumenta.

O gestor acreditado, apesar dos ruídos e da volatilidade, o arcabouço legal pela Lei das Estatais e pelo estatuto da empresa estão funcionando bem.

“Na primeira troca, quando o Castelo Branco saiu e entrou o Silvia e Luna, pensou-se que iria mudar a política de preços e passado algum tempo. Foi que não foi aquilo que foi selecionado. Tudo contínuo funcionando como antes”, coloca.

Ele lembra ainda do fator Lula, já que o candidato, que lidera as pesquisas, já afirmou que pretende “tropicalizar” os preços dos compostos orgânicos.

Já o CEO Finacap, Luiz Fernando, diz que sempre conviveu com esse risco.

“Investimos na empresa há muitos anos. Só saímos em 2010, quando a empresa ficou cara. E agora aconteceu o inverso, com o aumento e a ação caindo. A empresa continua muito descontada. Hoje os fundamentos são mais baratos, enquanto o cenário macroeconômico é mais favorável”, diz.

Sobre a Lei das Estatais, ele a classifica como um “marco”. “O grande recebimento é justamente a mudança da Lei das Estatais. Nós temos que mudar isso Muito coisa já estipulada na Lei da Sociedade. Não vemos tanta chance de passar. Mas tudo é possível na época da eleição”, completa.

Siga o Money Times no Facebook!

Curta nossa página no Facebook e conecte-se com jornalistas e leitores do Money Times. Nosso tempo traz as mais importantes do dia e você participa das conversas sobre as notícias e vistas de tudo o que acontece no Brasil e no mundo. Siga agora a página do Money Times no Facebook!