Os Portos de Auckland, na Nova Zelândia, estão recebendo um rebocador elétrico de grande porte para equipamentos de navios, para operações vitais no mar sem controle. Construído pelo estaleiro de Damen, Sparky é o primeiro de sua série RSD-E Tug, sendo equipado com nada menos que 2.040 baterias.

Toda essa composição é suportada em 80 racks de bateria, produzindo um total de 2,784 kWh. A chegada de Sparky (que este nome ganhou após uma votação pública no país em 2020) ao tornar-se um fator-chave para as pretensões do local de porto livre de ganho até 2040.

publicidade

Leia também:

Um rebocador elétrico tão forte quanto os rebocadores a diesel

Rebocador elétrico ostentando sua cor verde
Imagem: Divulgação/Portos de Auckland

Um acabamento em verde brilhante foi escolhido para Sparky se destacar dos demais rebocadores. Em dimensões, temos no veículo elétrico 24,73 metros de comprimento, com 6 metros de calado. Dotado de dois propulsores azimutais com hélices de 3 metros, sua tração de amarração é de 70 toneladas, algo tão forte quanto o rebocador a diesel mais poderoso do porto da maior cidade da Nova Zelândia.

Ação para o e-rebocador é de uma economia de 465 pedidos de proteção de CO2 a cada ano. Isso fora a redução do custo de operação, até três vezes menor que o de um rebocador a diesel. Com uma carga única, o Sparky pode completar quatro movimentos de transporte, precisando de apenas duas horas para recarregar. Além disso, há dois grupos geradores de backup de 1.000 kW para o rebocador elétrico poder enfrentar situações de emergência.

Trabalhando no mar sem fazer muito barulho

Rebocador elétrico sob neblina com outros barcos
Imagem: Divulgação/Portos de Auckland

Allan D’Souza, líder no projeto do e-rebocador, lembra o lançamento de Sparky ao mar levou seis anos. “Em 20, quando lançamos a ideia de um rebocador totalmente elétrico, nos avisamos que avisamos sonhando”.

“Você poderá avistar Sparky na água, pois sua superestrutura é pintada de verde brilhante, ao contrário de nossos rebocadores a diesel”, diz D’Souza. “O que você não notará é barulho ou fumaça; sendo elétrico, ele é muito mais silencioso e mais limpo que nossos rebocadores a diesel atuais”. Nas próximas semanas, o rebocador será testado na área de Auckland, antes de estar pronto para iniciar as operações.

Já assistu aos novos vídeos no Youtube do Olhar Digital? inscreva-se no canal!