Uma das situações mais estressantes que um motorista é quando um de seus pneus fura. Além do esforço físico para a troca, também tem o desgaste emocional, já que nem todo mundo entende o motivo de você parar em certos lugares.

Nesse sentido, pelo trocadilho, mas um perdão pneu que não fura seria uma mão na roda. Por isso, os fabricantes dessas peças tão importantes já estão se movendo no desenvolvimento dessa tecnologia. Em alguns casos, os processos já estão nas fases de testes.

Fonte: Pneus Best

Aquisição de confiança

Basicamente, cada marca busca uma forma diferente de criar um pneu sem ar que seja resistente e que não dê tantas tremulações ao carro. Um exemplo disso é a Goodyear, a qual trabalha nessa tarefa em conjunto com a Tesla.

Em Luxemburgo, as duas forças do mercado se unem testar essa engenhoca em uma corrida de corrida. Dessa forma, um Tesla modelo 3 acelera e freia bruscamente para atestar a segurança de um pneu sem câmara de ar e sem uma borracha capaz de absorver esses movimentos.

Em suma, a estrutura se monta com raios plásticos que se ligam verticalmente com um anel de borracha grande e resistente. Logo, enquanto o carro passa pelas situações de estrada, esses ligamentos se dobram e desdobram, refazendo o papel da câmara de ar.

Apesar de ser uma ideia sagaz, colaboradores do próprio fabricante reconhecem os desafios que a tecnologia ainda precisa superar. Michael Rachita é gerente de programas da Goodyear para pneus não pneumáticos, e de acordo com ele: “haverá ruídos e um pouco de vibração. Ainda estamos aprendendo como suavizar a direção. Mas achamos que o desempenho será surpreendente”.

Fonte: Getty Images

Conforme aponta o gestor, a intenção não é tornar inútil os pneus de ar. No entanto, é preciso que os fabricantes busquem maneiras de diminuir as dores de cabeça que as pessoas costumam ter com seus meios.

“À medida que entramos em um mundo onde os veículos são os mais comuns e estão oferecendo estratégias de transporte como serviço a importância de termos pneus livres de manutenção é imensa”, reflete ele

Enquanto isso na Michelin…

A princípio, a Michelin é uma das marcas com maior potencial de trazer ao mercado um pneu sem ar de confiança. Afinal, a empresa francesa é líder mundial na venda de “tweel”, que são estruturas arredondadas sem ar que sustentam máquinas agrícolas.

Desde 2005, esse tipo de pneu satisfaz as necessidades desses veículos que andam a baixas velocidades. Porém, a questão agora é se a tecnologia funcionaria em veículos em altas velocidades nas rodovias do mundo. Além disso, vale lembrar que essas estruturas possuem maior atrito com a rodovia, o que aumenta a necessidade de energia para o carro rodar. Portanto, é preciso sem minimizar esse efeito para que o pneu seja rentável.

Por isso, a Michelin vem trabalhando junto com a GM Motors desde 2019. Inclusive, o Sistema de Pneus à Prova de Furos Unique poderá estrear nas rodas do carro elétrico Chevrolet Bolt, em sua versão de 2024.

Fonte: Michelin

A fabricante francesa, por sua vez, também aposta em um sistema de notas que deixa um espaço livre dentro de si para que a estrutura se mova conforme o impacto. No entanto, diferente da Goodyear, os pneus da Michelin possuem mais materiais envolvidos na composição.

Enquanto a marca americana utiliza apenas plástico e vidro, a Michelin entregará um produto que contém fibra de borracha, resina de alta resistência e borracha composta. Além disso, no futuro, a empresa quer criar uma espécie de pneu inteligente que se conecta à internet e produzida por impressoras 3D. Ao fim do uso, essa engenharia ainda poderá passar por sonho e reutilização de automotivação.

Fonte: BBC.