Agricultura Nordeste
Melhoria da produção agrícola será fundamental para alimentar uma população global crescente. Leia a coluna do CEO da Alaby & Associados. (Imagem: Arquivo/Agência Brasil)

Em estudos realizados pela FAO (Agência das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação) e OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico) são demonstrados como perspectivas agrícolas do período de 2022-2030.

A produção agrícola sofrerá algumas variações de preços, em função dos acontecimentos climáticos, a guerra da Rússia e Ucrâniauma crise de logística internacional, oscilações de doenças animais e vegetais, além das incertezas cotadas macroeconômicas.

Mas a demanda global por commodities agrícolasincluindo para uso não alimentar, é projetado para crescer, 1,2% ao ano 2030, inferior à expansão média de 2,2% no período 2011-2020.

Deve-se ao crescimento menor da China em termos de compras de produtos agrícolas (0,85% a 2,7% por ano, na década) e em outras últimas, comparadas de menor demanda de biocombustíveis.

A disponibilidade de alimentos durante o mundo, a disponibilidade de alimentos durante o crescimento 4% próxima a década. A composição do regime alimentará também a saúde.

Carnes e peixes

Nos países em desenvolvimento, a preferência por carnes bovina e pesca ainda será mais elevada.

A melhoria da produtividade será fundamental para uma população global crescente e atingir 8, bilhões até 2030, de forma sustentável.

A produção agrícola mundial prevista para 2030, 87% são aumentadas para aumentar o crescimento do crescimento da terra e 7% do crescimento.

Grande parte da expansão na produção de carnes e peixes será resultado de ganhos de produtividade. A economia do trabalho da baixa contribuirá significativamente para o crescimento da economia e da produção da baixa.

Comércio internacional

O comércio internacional e a nutrição serviço crítico para a segurança alimentar global, renda combate à pobreza rural. Em média, aproximadamente 20% do que é consumido internamente é importado.

De outro lado, até 2030 nada menos de 34% da produção agrícola da América Latina será exportada.

Como protesto de opinião gases de efeito estufa (GEE) provenientes da agricultura devem aumentar 4% nos próximos dez anos, com a produção pecuária respondendo com mais crescimento de 80%desse.

O mercado de carbono será um grande estímulo do Brasil, Extraordinários ganhos para a economia brasileira.

O papel do Brasil

O Brasil a comprar um aumento de valor, como um fabricante de alimentos da carne chinesa, e mesmo com um ritmo do menor fabricante chinês.

Tendo o Brasil como produtor dominante, a América Latina verá sua produção agrícola crescer 14% nos próximos dez anos. O valor líquido das exportações da região é de 31%, segundo os estudos, mas representa um pouco mais da metade da taxa de crescimento alcançada no período de 2011-2020.

2 exportações de carne de frangos, 42% das exportações de carne bovin e 33% das exportações de carne bovin e 33% das exportações de carne bovina .

Também, o Brasil dominando o mercado mundial, ao lado dos EUA A produção brasileira poderá crescer 17% e as exportações aumentarão no mesmo ritmo. Até 2030, o Brasil deverá representar 50% das exportações totais de soja. A China importa mais de dois terços do total mundial.

A chave do sucesso reduzirá o efeito estufa, maior produtividade e melhor gestão tecnológica na administração e nas finanças das empresas agroalimentares e da indústria.

Aproveite para conferir todas as colunas do Michel Alaby aqui no Agro Times.

Siga o Agro Times no Facebook!

Curta nossa página no Facebook e conecte-se com os jornalistas e leitores do Tempos Agro. Nosso tempo traz as mais importantes do dia e você das conversas sobre as notícias e as notícias de tudo o que não acontece no agronegócio. Siga agora a página do Agro Times no Facebook!

Isenção de responsabilidade

O Tempos de dinheiro publica informativas, de caráter jornalístico. Essa não constitui uma constituição de investimento.