Dois ex-funcionários da Tesla moveram uma ação contra a empresa no último domingo (19) alegando que não houve aviso prévio sobre a decisão de realizar ‘demissões em massa’, o que viola a lei trabalhista americana.

Segundo o processo, mais de 500 pessoas foram demitidas da montadora de carros elétricos este apenas em uma fábrica no estado de Nevada, descumprindo a chamada ‘Lei de Ajuste e Reciclagem do Trabalhador’, que estabelece um período de notificação de 60 dias antes da liberação.

publicidade

Ex-funcionários processam Tesla por demissão em massa sem aviso prévio.
Questionado sobre o processo, Musk disse no Fórum Econômico do Catar que a ação é trivial e “não tem fundamento”. Imagem: Naresh777/Shutterstock

A meta de John Lynch e Daxton Hartsfield, demitidos em 10 e 15 de junho, respectivamente, é conseguir o status de coletiva para que todos os colaboradores de enviados entre maio e sejam próximos. A Tesla notificou os funcionários de que suas recisões entrariam em vigor, diz “A denúncia.

Leia mais:

‘Sentimento ruim’ sobre a economia

Vale lembrar que Musk declarou este mês que tinha um “sentimento muito ruim” sobre a economia, um dos fatores que pode ter contribuído para o corte, que representa uma redução de 3,5% no total de funcionários da Tesla nos próximos três meses. “Crescemos um pouco rápido demais em algumas áreas e isso exige uma redução”, disse Musk no Fórum Econômico do Catar.

No fim, a busca pelo período de notificação que não foi cumprida foi a resposta. “É chocante que a Tesla tenha violado descaradamente a lei trabalhista federal demitindo os trabalhadores sem fornecer o aviso necessário”, comentou Shannon Liss-Riordan, o advogado que representa os dois ex-funcionários.

Questionado sobre o processo, Musk disse que a ação é trivial e “não tem fundamento”: “É um pequeno processo que não terá consequências”.

Através da: Reuters, Interno

Já assistiu aos nossos novos vídeos no Youtube? inscreva-se no nosso canal!