2/2
© Reuters. Uma vista mostra um depósito de bondes destruído por um ataque de mísseis russos, enquanto o ataque da Rússia à Ucrânia continua, em Kharkiv, Ucrânia, 18 de junho de 2022. REUTERS/Vitalii Hnidyi

2/2

Por Pavel Polityuk e Max Hunder

KYIV (Reuters) – A guerra na Ucrânia pode durar anos, disse o chefe da Otan neste domingo, quando a Rússia intensificou seus ataques depois que a União Europeia recomendou que Kyiv se tornasse candidata ao bloco.

Jens Stoltenberg disse que o fornecimento de armamento de última geração para as tropas ucranianas aumentaria a chance de libertar a região leste de Donbass do controle russo, disse o jornal alemão Bild am Sonntag.

“Devemos nos preparar para o fato de que pode levar anos. Não devemos desistir de apoiar a Ucrânia”, disse Stoltenberg, secretário-geral da aliança militar.

“Mesmo que os custos sejam altos, não apenas pelo apoio militar, mas também pelo aumento dos preços da energia e dos alimentos.”

O primeiro-ministro britânico Boris Johnson, que visitou Kyiv na sexta-feira, também falou da necessidade de se preparar para uma longa guerra.

Isso significava garantir que “a Ucrânia receba armas, equipamentos, munições e treinamento mais rapidamente do que o invasor”, escreveu Johnson em um artigo de opinião no Sunday Times de Londres.

“O tempo é o fator vital”, escreveu ele. “Tudo vai depender se a Ucrânia pode fortalecer sua capacidade de defender seu solo mais rápido do que a Rússia pode renovar sua capacidade de ataque.”

A Ucrânia recebeu um impulso significativo na sexta-feira, quando a Comissão Europeia a recomendou para o status de candidato, uma decisão que os países da UE devem endossar em uma cúpula nesta semana.

Isso colocaria a Ucrânia no caminho certo para realizar uma aspiração vista como fora de alcance antes da invasão da Rússia em 24 de fevereiro, mesmo que a adesão possa levar anos.

ATAQUES INTENSIFICADOS

Os ataques russos se intensificaram nos campos de batalha da Ucrânia.

A cidade industrial de Sievierodonetsk, alvo principal da ofensiva de Moscou para assumir o controle total de Luhansk – uma das duas províncias que compõem o Donbas – enfrentou artilharia pesada e foguetes novamente, disseram os militares ucranianos.

“A situação em Sievierodonetsk é muito difícil”, disse Serhiy Gaidai, governador de Luhansk indicado pela Ucrânia, acrescentando que as forças russas, usando drones para reconhecimento aéreo, estão ajustando os ataques rapidamente em resposta às mudanças na defesa.

“Áreas próximas às pontes foram fortemente bombardeadas novamente”, disse Gaidai em um post online no domingo, acrescentando que a fábrica de produtos químicos Azot, onde centenas de pessoas estavam abrigadas, foi atingida duas vezes.

Na cidade gêmea de Sievierodonetsk, Lysychansk, do outro lado do rio, os corpos de dois civis foram encontrados, disse ele, acrescentando: “A destruição de moradias na cidade está aumentando como uma avalanche”.

Os militares da Ucrânia reconheceram que “o inimigo tem sucesso parcial na vila de Metolkine”, a sudeste de Sievierodonetsk.

A agência de notícias estatal russa TASS disse que muitos combatentes ucranianos se renderam em Metolkine, citando uma fonte que trabalha para separatistas apoiados pela Rússia.

Mísseis russos atingiram uma fábrica de gás no distrito de Izyum, a noroeste, e foguetes russos chovendo sobre um subúrbio de Kharkiv, a segunda maior cidade, atingiram um prédio municipal, causando um incêndio, mas sem vítimas, disseram autoridades ucranianas.

Eles relataram bombardeios mais a oeste em Poltava e Dnipropetrovsk, dizendo no sábado que três mísseis russos destruíram um depósito de combustível na cidade de Novomoskovsk, ferindo 11 pessoas.

Pavlo Kyrylenko, governador de Donetsk, a outra província de Donbas, disse que um civil foi morto e 11 ficaram feridos em um bombardeio no sábado.

O estado-maior das forças armadas ucranianas disse que tropas russas em uma missão de reconhecimento perto da cidade de Krasnopillya foram derrotadas com pesadas baixas no sábado.

A Reuters não pôde confirmar independentemente as contas do campo de batalha.

Dois altos comandantes de combatentes que defenderam a siderúrgica Azovstal, no porto de Mariupol, no sudeste, foram transferidos para a Rússia para investigação, disse a TASS.

DESAFIO DE ZELENSKIY

O presidente ucraniano Volodymyr Zelenskiy, cujo desafio inspirou seu povo e conquistou respeito global, disse que visitou soldados na linha de frente sul da região de Mykolaiv, cerca de 550 quilômetros ao sul de Kyiv.

“Conversei com nossos defensores – os militares, a polícia, a Guarda Nacional”, disse ele em um vídeo no aplicativo de mensagens Telegram no domingo, que parecia ter sido gravado em um trem em movimento.

“O ânimo deles está assegurado: todos não duvidam da nossa vitória”, disse Zelenskiy. “Nós não vamos dar o sul a ninguém, e tudo o que é nosso nós vamos pegar de volta.”

Outro vídeo mostrou Zelenskiy em sua camiseta cáqui, marca registrada, distribuindo medalhas e posando para selfies com militares.

Zelenskiy ficou principalmente em Kyiv desde a invasão russa, embora nas últimas semanas tenha feito visitas não anunciadas a Kharkiv e a duas cidades do leste perto de batalhas.

Um dos objetivos declarados do presidente russo, Vladimir Putin, ao ordenar a entrada de tropas na Ucrânia era interromper a expansão para o leste da Aliança do Tratado do Atlântico Norte e manter o vizinho do sul de Moscou fora da esfera de influência do Ocidente.

Mas a guerra, que matou milhares, reduziu cidades a escombros e fez milhões fugirem, teve o efeito oposto – convencendo a Finlândia e a Suécia a buscarem se juntar à Otan – e ajudando a preparar o caminho para a candidatura da Ucrânia à UE.