relembre como evitar a infecção pelo coronavírus

0
21

[ad_1]

O aumento de casos de Covid-19 registrado nas últimas semanas levou o Brasil à quarta onda da doença em dois anos de pandemia. Com o coronavírus em maior circulação outra vez, alguns cuidados para evitar a infecção voltaram a ser recomendados por médicos para evitar a ocorrência de casos graves, mortes e sequelas da Covid longa. É importante lembrar que a reinfecção é possível e, mesmo com a vacina, todas as pessoas podem transmitir o vírus.

Na avaliação da infectologista Ana Helena Germoglio, as principais mudanças entre a atual onda e as anteriores estão nas características do vírus, que se tornou menos letal e mais transmissível, e na resposta imunológica dos pacientes.

“A maior parte das pessoas já tem alguma imunidade contra o coronavírus graças às vacinas ou por já ter tido algum quadro infeccioso anteriormente”, explica a médica.

0

Vacinação

A combinação da vacinação completa – com as três doses do curso primário e o reforço – e o uso adequado da máscara ainda é a maior aliada na prevenção da Covid-19, especialmente para os pacientes imunossuprimidos, que correm maior risco com a infecção do coronavírus por ter uma baixa nas defesas naturais do corpo.

“Sabemos que a a imunidade começa a cair cerca de quatro meses após a imunização. Por isso, o ideal é tomar todas as doses de reforço disponíveis”, afirma Ana Helena.

Máscara

Voltar a usar a máscara pode ser especialmente difícil para quem se readaptou ao mundo sem elas nos últimos meses. Ainda assim, os itens são uma da principais maneiras de se defender contra a infecção. Os modelos mais indicados são a PFF2/N95, que ajusta atrás da cabeça, e a máscara cirúrgica — mas, na falta de melhores opções, os especialistas apontam que qualquer máscara é melhor que nenhuma, e a de pano também oferece alguma proteção.

De acordo com a infectologista, ao avaliar o ambiente para decidir se é preciso usar ou não o item de proteção, mais importante do que observar se ele é aberto ou fechado é avaliar o risco de acordo com o número de pessoas presentes.

“Estar em um ambiente aberto, mas com muitas pessoas ao seu redor, também gera um risco grande de transmissão”, pondera.

Junto a isso, Ana Helena lembra que a população deve avaliar o risco individual de evoluir para a forma grave da Covid-19, levando em consideração fatores de risco como idade, comorbidades e não ter completado o ciclo completo de vacinação.

Testagem

Ao sentir os primeiros sintomas – como tosse, coriza, febre e dor de garganta – é recomendado que todas as pessoas façam o teste de antígeno ou PCR para evitar a propagação do vírus. Os autotestes, que são baseados em antígenos, podem ser adquiridos em farmácias e feitos em casa. Os resultados saem em poucos minutos.

Nos casos em que o exame é negativo, mas os sintomas persistem, o teste deve ser repetido em 24 horas.

É importante fazer o exame principalmente para dar início ao isolamento. Sem o diagnóstico, o paciente continua saindo de casa e pode infectar outras pessoas.

“Mesmo com sintomas leves, quanto mais gente infectada persistir circulando e transmitindo a doença, mais se perpetua esse ciclo de transmissão viral”, afirma a infectologista.

O isolamento social de sete dias após o início dos sintomas para casos leves e moderados, quando não se tem febre, continua sendo indicado para evitar o ciclo de transmissão viral. Caso o paciente continue testando positivo no décimo dia, deve esperar mais três dias e repetir o exame.

Ana Helena acredita que, no futuro, quando uma grande parte da população estiver completamente vacinada, o isolamento pode não ser mais necessário.

Veja como fazer o teste em casa:

Receba notícias do Metrópoles no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/metropolesurgente.

[ad_2]

Source link

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here