A Polícia Federal (PF) informou neste sábado, 18, que o outro corpo encontrado na região do Vale do Javari, no Amazonas, é do indigenista Bruno Araújo. A identidade do jornalista britânico Dom Phillips já havia sido confirmada ontem.

Comparações entre exames odontológicos contratados pela família do indigenista e garantiram a identidade de Bruno. O mesmo procedimento foi usado na identificação do repórter. No caso de Dom, houve ainda uma análise de digitais e caraterísticas físicas, conhecido como “antropologia forense”.

“Não existem indicativos da presença de outros médicos em meio ao material que passa por exames”, diz o comunicado da Polícia Federal.

Causa da morte

Os peritos do Instituto Nacional de Criminalística de Brasília também apontaram que o repórter e o indigenista foram mortos a tiros: Bruno foi baleado três, na cabeça e no três vezes, e Dom, uma vez, no tórax.

Em nota, a PF que a morte do repórter foi abordado por “traumatismo, tiro para tiroraco-abdominal” por “traumatismo, tiro a tiro com múltiplos músculos abdominais e típico de caça principalmente sediadas na região abdominal e torácica (1)

Já Bruno Pereira, ainda segundo a Polícia Federal, sofreu “traumatismo toracoabdominal e craniano por disparos de arma de fogo com munição típica de caça, com múltiplos balins, que ocasionaram danos sediadas no tórax/abdômen (2 tiros) e face/crânio (1 tiro)”.