Um projeto de lei complementar que tramita atualmente no Congresso pode trazer grandes mudanças para a conta de luz dos brasileiros. O PLP 18 estabelecendo o limite de 17% a 18% para as alíquotas de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) sobre combustíveis, energia elétrica, telecomunicações e transportes.

O texto foi aprovado na feira (13) no Senado e passará por nova votação na Câmara dos Deputados, por ter mudado. A limitação do ICMS é a principal estratégia do governo para tentar reduzir o valor da conta de luz, que, apesar do retorno da bandeira verde em abrilcontinua enviando um dos itens que mais pesam no orçamento das famílias.

Segundo a Aneel, a redução média no valor das cobranças de energia pode ser de 12%. Mas o resultado pode variar bastante, em estado de consumidor. Cada estado adota uma metodologia diferente de cobrança nalíquota de ICMS, sendo que alguns adotam faixas diferentes, considerando o nível de consumo de energia. Em alguns, também existe isenção do imposto até certo nível de consumo.

Consumidores de São Paulo podem ser prejudicados

Para compensar as perdas que podem vir da limitação da cobrança, alguns estados podem passar a alíquota ou a cobrá-la das famílias que consomem energia.

O estado de São Paulo é um dos que adotam alíquotas diferentes de acordo com o nível de consumo. Quem consome até 90 kWh por mês na capital paulista não paga ICMS. Quem consome entre 90 kWh e 220 kWh paga alíquota de 12%. Mas quem consome entre 220 kWh até 500 kWh atualmente paga 30% de imposto.

Para compensar a perda de arrecadação nessa última faixa, o estado pode aumentar o ICMS para famílias que consomem menos, limitar ou acabar com a isenção para a menor faixa.

A limitação do ICMS, no entanto, pode beneficiar os consumidores de estados que atualmente adotam uma alíquota única e alta. É o caso de Minas Gerais, que cobra 30% de imposto sobre o consumo de energia, e da Bahia, que cobra 27%.

Inflação é problema do governo

Junto com os alimentos (que também estão incluídos na proposta de limite do ICMS) e os alimentos, a energia elétrica é um dos principais fatores para o aumento da imposto nos últimos meses.

O governo sabe que o aumento dos preços desses itens será uma questão central nas amor de outubro, quando o presidente Bolsonaro tentar renovar o seu mandato.

As propostas que atacam o ICMS podem até não reduzir significativamente o custo de produtos básicosmas podem, na visão do governo, “transferir a culpa” para os governadores e, com isso, trazer um ganho eleitoral.

Amaury Nogueira

Amaury da Silva Nogueira é bacharelando em Letras/Edição pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Apaixonado pelo universo da escrita, atua há dois anos como redator e realiza pesquisas sobre história da edição no Brasil. Além disso, atualmente agrega pesquisa também sobre direitos e benefícios sociais para conhecimento na redação do portal de notícias FDR.