10/10
© Reuters. O primeiro-ministro britânico Boris Johnson e o presidente da Ucrânia Volodymyr Zelenskiy caminham na Praça Mykhailivska, enquanto o ataque da Rússia à Ucrânia continua, em Kyiv, Ucrânia, 17 de junho de 2022.

2/10

Por Robin Emmott e Max Hunder

BRUXELAS/KYIV (Reuters) – Com a guerra no leste da Ucrânia em andamento, Kyiv recebeu um grande impulso quando a União Europeia recomendou que se tornasse candidata ao bloco, no que seria uma dramática mudança geopolítica após a invasão da Rússia.

Espera-se que os líderes da UE endossem as recomendações do executivo da UE para a Ucrânia e a vizinha Moldávia, anunciadas na sexta-feira, em uma cúpula na próxima semana.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskiy, tuitou que a bravura dos ucranianos criou a oportunidade para a Europa “criar uma nova história de liberdade e, finalmente, remover a zona cinzenta na Europa Oriental entre a UE e a Rússia”.

Em seu discurso noturno na televisão nacional, Zelenskiy disse que a decisão dos estados membros da UE ainda está para ser vista, mas acrescentou: “Você só pode imaginar uma força européia verdadeiramente poderosa, independência européia e desenvolvimento europeu com a Ucrânia”.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, anunciou a decisão do executivo vestida com as cores ucranianas – um blazer amarelo sobre uma blusa azul.

“Os ucranianos estão prontos para morrer pela perspectiva europeia”, disse ela. “Queremos que eles vivam conosco o sonho europeu.”

O presidente russo, Vladimir Putin, criticou o Ocidente, os Estados Unidos em particular, em um discurso cheio de queixas em São Petersburgo na sexta-feira, mas tentou minimizar a questão da UE.

“Não temos nada contra”, disse. “Não é um bloco militar. É direito de qualquer país aderir à união econômica.”

No entanto, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse que a Rússia está acompanhando de perto a candidatura da Ucrânia à UE, especialmente à luz do aumento da cooperação em defesa entre o bloco de 27 membros.

A Ucrânia solicitou a adesão à UE quatro dias depois que as tropas russas cruzaram sua fronteira no final de fevereiro. Dias depois, juntaram-se a Moldávia e a Geórgia – estados ex-soviéticos menores que também lutam contra regiões separatistas apoiadas pela Rússia.

Embora seja apenas o início de um processo que pode levar muitos anos e exigir amplas reformas, a medida da Comissão Europeia coloca Kyiv no caminho para realizar uma aspiração fora de alcance há apenas alguns meses.

Um dos objetivos declarados de Putin ao lançar uma invasão que matou milhares de pessoas, destruiu cidades e levou milhões a fugirem era deter a expansão do Ocidente para o leste por meio da aliança militar da OTAN.

O anúncio de sexta-feira sublinhou como a guerra teve o efeito oposto: convencer a Finlândia e a Suécia a se juntarem à Otan, e agora a UE a embarcar em sua expansão potencialmente mais ambiciosa desde as boas-vindas aos países do Leste Europeu após a Guerra Fria.

Em seu discurso, Putin denunciou os Estados Unidos por se considerarem “emissários de Deus na Terra” e disse que a intransigência ocidental não deu à Rússia escolha a não ser lançar sua “operação militar especial” na Ucrânia.

Ele também questionou se era “aconselhável” para a UE permitir a entrada da Ucrânia, dizendo que Kyiv precisaria de enormes subsídios econômicos que outros membros da UE podem não estar dispostos a dar.

Adicionando combustível ao confronto global, a mídia russa transmitiu imagens do que eles disseram ser dois americanos capturados enquanto lutavam pela Ucrânia. “Sou contra a guerra”, disseram os dois homens em videoclipes separados postados nas redes sociais.

GERAÇÃO PÓS-SOVIÉTICA

A adesão à UE não é garantida – as negociações estão paralisadas há anos com a Turquia, candidata desde 1999. Se admitida, a Ucrânia seria o maior país da UE em área e o quinto mais populoso.

A Ucrânia e a Moldávia são muito mais pobres do que os atuais membros da UE e têm histórias recentes de política volátil, crime organizado e conflitos com separatistas apoiados pela Rússia.

Mas em Zelenskiy, 44, e Maia Sandu, 50, eles têm líderes pró-ocidentais que atingiram a maioridade fora da União Soviética.

O último dignitário estrangeiro a visitar Kyiv foi o primeiro-ministro britânico Boris Johnson, que ofereceu treinamento para as forças ucranianas na sexta-feira e disse que a Grã-Bretanha apoiará o povo ucraniano “até que você finalmente vença”.

Em um artigo online na Foreign Policy na sexta-feira, o ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, disse que o Ocidente não deve “sugerir iniciativas de paz com termos inaceitáveis” – uma aparente referência a comentários do presidente francês Emmanuel Macron este mês de que a Rússia não deve ser humilhada se um solução deveria ser encontrada.

Em vez disso, deve ajudar a Ucrânia a vencer, não apenas fornecendo armas pesadas, mas mantendo e aumentando as sanções contra Moscou, escreveu Kuleba.

“O Ocidente não pode suportar qualquer fadiga das sanções, independentemente dos custos econômicos mais amplos”, disse ele. “Está claro que o caminho de Putin para a mesa de negociações passa apenas por derrotas no campo de batalha.”

Dentro da Ucrânia, as forças russas foram derrotadas em uma tentativa de invadir Kyiv em março. Desde então, a Rússia voltou a se concentrar na região de Donbas, no leste, que reivindica em nome de representantes separatistas, e suas forças usaram sua vantagem de artilharia para abrir caminho para as cidades em uma fase de desgaste punitiva da guerra.

Pavlo Kyrylenko, governador da região de Donetsk, em Donbas, disse em um post no Telegram que quatro civis foram mortos e seis ficaram feridos em um bombardeio na sexta-feira.

Autoridades ucranianas disseram que suas tropas ainda estão resistindo em Sievierodonetsk, na província vizinha de Luhansk e cenário dos piores combates recentes, mas é impossível evacuar mais de 500 civis presos em uma fábrica de produtos químicos devido a bombardeios e combates intensos.

O governador de Luhansk, Serhiy Gaidai, disse que uma importante rodovia que sai da cidade irmã de Sievierodonetsk, Lysychansk, agora está intransitável devido ao bombardeio russo.

No sul, a Ucrânia montou uma contra-ofensiva e afirma ter feito incursões em território ocupado pela Rússia.