Não importa de onde é, você não gostaria de estar no calor da Espanha neste momento. Isso porque o país vive uma onda de temperaturas altas durante o período de pré-verão.

Sendo assim, diversas fotos estão surgindo para retratar essa realidade no país europeu. Os conteúdos vão desde mutirões tomando banho nas fontes de Madri até vendedores de chapéus à procura de um cliente que precisa se proteger do Sol. Nesse sentido, o sul do país é a região que mais sente as altas temperaturas.

Fonte: Paul White/AP

Ola de calor

Diferente dos climas das arquibancadas de estádios, ninguém aqui está feliz com essa “Ola” (onda, em espanhol). Pelo contrário, as pessoas estão buscando de todas as formas maneiras de driblar o calor escaldante que faz na Espanha.

Para a sorte dos dois espanhóis, o Dia dos Namorados é em 14 de junho, pois se fosse no dia 12 de junho, casais terão problemas em ficar grudados demais. Afinal, nessa data, cidades como Andújar marcaram 43ºC em seus termômetros. De modo semelhante, Córdoba registrou 42ºC nesse momento de pré-verão.

Ambas as cidades não ficam no sul da Espanha, região que mais sente o fator que está identificadas como marcações incomuns. Lá, os moradores e turistas sentem-se muito cheios de efeitos de uma massa quente que vem do norte da África. Este bolso vai ficar pelo território espanhol até o dia 15 de junho.

Isso pode ser apenas uma prévia do calor que o país vai enfrentar neste mês. Conforme indica o porta-voz da Agência Nacional de Meteorologia da Espanha, Rúben del Campo, junho tende a ser um período bem complicado para o povo espanhol. “Estamos impecavelmente elevados para o público em comunicado do órgão.

Fonte: Paul White/AP

A propósito, essa é a quarta onda de calor que o território espanhol recebe nos últimos 10 meses. Bater, registrado-se uma em agosto do ano passado, quando a cidade de Montoro, no sul do país, chegou a 47,4ºC. Mais tarde, veio a onda entre o Natal e Ano Novo, seguida de outras massas de ar quente em maio. Agora, há mais uma para dar as boas vindas ao verão.

Fenômeno comum, porém intensificado

de se tratar de um aumento previsto no ciclo apesar das estações, certos traços dos efeitos das mudanças climáticas previstos no mundo, apesar do processo.

Conforme Nota Rúben Campo, desde a Era Pré Industrial, as vezes aumentou-se a cerca de 1,7 graus na Espanha, um pouco 2ºC a Europa registrou de crescimento. Sendo assim, as ondas de calor estão se tornando não só mais intensas, como também mais frequentes.

Segundo o especialista, os dias veraneios “estão ficando cada vez mais quentes e cada vez mais longos: um verão atual dura mais de um mês adicional do que nos anos 1980”, aponta Rúben del Campo.

Fonte: Paul White/AP

Com isso, além dos impactos nos ciclos naturais, também se calcula os efeitos dessa calor na saúde pública espanhola. Afinal, todos os anos 1.800 pessoas morrem nas ondas de calor que atingem. Ou seja, a intensidade e frequência desse evento continuem aumentando, mais óbitos ocorrem.

Por fim, a nação passa a ter que lidar com mais recorrência com os incêndios florestais e secas que decorrem das altas temperaturas. Inclusive, na semana passada, o fogo se alastrou em Serra Bermeja, que fica em Málaga, na região da Andaluzia. Ao todo, o incêndio consumiu 3.500 hectares de floresta, o que, assim, tende a estar cheio de vida da fauna que habita o local.

Portanto, não restam dúvidas para os cientistas desde já o que são marcas globais suas marcas. Por isso, é fundamental que se unam no propósito de reduzir as nações de efeito estufa ou que nem sempre acontece na prática por impasse geopolítica.

Fonte: G1, Isto É.