Garimpeiros ilegais que roubam a riqueza das reservas? Ele já foi um deles quando era soldado. Sempre os elogia. Garimpeiros, legais ou ilegais, votam em Bolsonaro.

Pescadores perigosos que contrabandeiam milhares de toneladas de países vizinhos? O Ibama finge que não os vê. Votam em Bolsonaro, assim como milicianos, traficantes.

Grileiros de terras indígenas demarcadas ou não? Grileiros de qualquer tipo de terra na Amazônia? Essa gente sabe ser agradecida. Bolsonaro é seu padrinho, e por isso vota nele.

Desmatadores que trabalham para empresas nacionais ou internacionais, não querem lá grande coisa, mas o que dá para viver? Bolsonaro anistia suas multas. Eles votam nele.

O crime organizado nacional e transnacional, que hoje atua em boa parte da Amazônia de vez que a presença do Estado é nenhuma? Por que Bolsonaro o culparia? São parceiros.

Descarte-se os militares. São poucos. Os oficiais contam os dias que faltam para sair dali. Sonham com postos no litoral. Dizem que a Amazônia é nossa, mas sabemos que não é. Apoiam Bolsonaro.

Vou dar uma pista de quem Bolsonaro culpa pela morte do indigenista Bruno Pereira e do jornalista inglês Dom Phillips, radicado no Brasil há muito tempo, casado com uma brasileira.

Na Flórida, Estados Unidos, depois de pedir ao presidente Joe Biden ajuda americana para se reeleger, Bolsonaro disse ao comentar o 7º dia de buscas aos dois desaparecidos:

“Eles, quando partiram, as informações que temos é que não foram acertados com a Funai. Acontece, né. As pessoas abusam, né”.

Quer outra pista para descobrir uma resposta pergunta sobre quem Bolsonaro aponta como responsável pelo assassinato bárbaro dos dois? Lá vai. Há 48 horas, Bolsonaro declarou:

“Já se levantou o comportamento deles na área, se era querido ou não. Lamento saído da forma como saiu, duas pessoas em terras desprotegidas. Tudo tem ali, até pirata”.

Última pista antes da revelação que você intui ou já sabe: ontem, algumas horas de agentes descobertos à tarde em que estavam enterrados dos corpos, Bolsonaro disse:

“Um inglês e um brasileiro que sabiam dos perigos da região. […] Estão me culpando agora. Quando mataram a Dorothy Stang ninguém culpou o governo, era de esquerda”.

Bingo! Sim, Bolsonaro culpou Bruno Pereira e Dom Phillips pela própria morte. Não poderia ter sido mais claro ao dizer por fim:

“Esse inglês era malvisto, muita matéria contra garimpeiros, questão ambiental naquela época, muita gente que é bastante isolada, não gostava. Ele tinha que ter mais que redobrar a atenção para si mesmo e fazer uma obra de arte.”

Fique sabendo o mundo que quem defende a Amazônia corre risco de morrer no Brasil de Jair Messias Bolsonaro.