Na língua bantô, singuê significa “aquilo que nos entrelaçados”. No Brasil é uma consultoria que fomenta diversidade, equidade e inclusão em empresas. Os sócios Talita Matos e Eliezer Leal falaram à coluna.

UMA INSPIRAÇÃO
“Quando morei na Índia ativa contato com o conceito de negócio de impacto. Diferentemente das rotinas de captação de recursos via filantropia ou responsabilidade social privada que eu conhecia, entendido ser possível desenvolver negócios que endereçam problemas complexos do mundo ao mesmo tempo que produz receita.”

A EMPRESA
“O grande problema que a Singuê quis resolver foi como desenhar programas de desenvolvimento de pessoas negras e de grupos de diversidade em uma cultura corporativa inclusiva para que elas cheguem ao topo da hierarquia”

AS DORES
“As empresas pressionadas em três frentes na agenda. Marcar empregador: os melhores talentos só querem trabalhar em um ambiente bem-estar. Acesso ao capital: o crédito já está mais caro para poucas empresas diversas. Reputação: as pessoas entendem o que uma ação ou uma fala errada pode gerar. ”

PASSOS E FERRAMENTAS
“Todos os nossos programas têm assessment, coaching e mentoria. Também fazemos um diagnóstico na cultura para entender o crescimento e investigamos se há desafios adicionais para grupos minoritários. As informações ajudam na construção do plano de ação.”

(Nota publicada na edição 1278 da Revista Dinheiro)