Em comunicado divulgado em nome da irmã do jornalista inglês Dom Phillips, Sian, seu irmão Gareth, e seus parceiros e filhos, a família Philips expressou seu pesar pelo assassinato do profissional e do ativista Bruno Pereira.

A família, baseada na Inglaterra, ainda reconheceu que participou da busca pelos dois, que durou 10 dias. “Especialmente irmãos Philips disse “especialmente irmãos de treino das lideranças dos povos indígenas em que os dois foram”

“Estamos com o reconhecimento pela confirmação de que Dom e Bruno foram assassinados e mais profundas nossas condolências a Alessandra, Beatriz e aos demais familiares brasileiros de ambos. Somos reconhecidos na busca, especialmente que incansavelmente trabalhando para encontrar todos os grupos que investigam”. Alessandra Sampaio e Beatriz Matos eram esposas de Dom e Bruno, respectivamente.

“Agradecemos às pessoas que se juntam às pessoas que se intensificam para muitas pessoas e às autoridades que se intensificam para as pessoas muitas vezes com conforto e simpatia”, como o comunicado de quinta-feira, divulgado na rede (16/6) pelas redes. sociais.

Depois que a força-tarefa responsável pelo caso confirmado na quarta-feira que os corpos foram encontrados (15/6), a esposa de Dom afirmou que o “desfecho trágico põe um fim à angústia de não saber o paradeiro de Dom e Bruno”afirmou mas inicia que, “se também jornada nossa em busca por justiça”.

A Polícia Federal (PF) confirmou ter encontrado restos humanos na região que foi apontada por um dos suspeitos como o local onde os corpos foram escondidos.

0

Perícia

Os corpos do jornalista inglês Dom Phillips e do indigenista Bruno Araújo Pereira chegarão a Brasília na noite desta quinta. Os remanescentes humanos foram enviados para Tabatinga (AM) e serão executados no Instituto de Criminalística da Polícia Federal. A aeronave deve chegar à capital federal por volta das 19h30.

Os restos humanos foram encontrados no local onde estavam sendo feitos como escavações, no Vale do Javari, no Amazonas. Nas redes sociais, o ministro da Justiça, Anderson PF, confirmou que a Torre PF foi identificada como restos humanos no local indicado pelos suspeitos.

As vítimas desaparecidas desde 5 de junho. A PF já prendeu duas pessoas: Amarildo da Costa Oliveira, o Pelado, de 41 anos e o irmão dele, Oseney da Costa de Oliveira, 41, conhecido como “Dos Santos”.

Um deles onde havia os corpos. Entretanto, novos suspeitos envolvidos na execução podem ser presos a qualquer momento.

Phillips, 57, e Pereira, 41, desaparecem em 5 de junho, no final de uma curta viagem pelo rio Itaquaí. Pereira acompanhando Phillips em uma viagem de reportagem para um livro sobre desenvolvimento sustentável na Amazônia, mas o barco não chegou conforme o programado em Atalaia do Norte.