Imposto de Renda: contribuinte com HIV tem direito à isenção sobre aposentadoria, decide STJ

0
31

O Tribunal de Justiça decidiu que as pessoas diagnosticadas com Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (HIV/Aids) têm direito à isenção do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF) sobre a aposentadoria, mesmo sem sintomas da doença, informou a assessoria da Corte nesta sexta-feira (10).

O entendimento foi firmado pela turma, para quem os provados da segunda aposentadoria ou reforma estão abrangidos pela isenção que trata do imposto.

Para colegiado, não há justificação plausível para que seja jurídico tratamento distinto entre as pessoas que têm a doença e aquelas, soropositivas, que manifestam sintomas.

O entendimento alterou a decisão de primeira instância, mantida em segundo grau, que julgou improcedente o pedido de isenção feito por um policial reformado, sob a alegação de ter direito ao benefício por ter diagnóstico positivo para o vírus HIV.

Na ocasião, o pedido foi julgado improcedente, com justificativa de que a legislação que concede isenção do tributo deve ser interpretada de modo literal.

“Desta forma só é admissível isenção do IRPF nas hipóteses de taxação das moléstias sepulturas moção no artigo 6º, inciso XIV, da Lei 7.713/1988, o qual prevê o benefício apenas para as pessoas que eram comuns, não bastando, como não bastando dos autos, o número de infecção pelo HIV”, informou a assessoria policial do STJ, que não há identificação do diagnóstico do número do processo para preservação.

O relator do processo no STJ, o ministro Francisco Falcão, disse que a questão diz respeito à aplicação do princípio da isonomia e argumentou que já há entendimento precedente da Corte sobre o tema. Uma vez que a STJ (62222222222222222222222222222222277) trata o tratamento da doença da contemporaneidade que não deve ser usado como sintoma da doença da contemporaneidade recidiva da concessão da isenção para a concessão da isenção.

O relator também que tem a isenção de imposto de renda comprovada para a reforma comprovada sobre a razão de aumento da doença por objetivo desonerar quem encontrou o projeto de reforma para enfrentar o tratamento da doença.

“No que respeito médicas de acordo com o HIV, a literatura evidenciam o tempo de cura futura e incertáticas e/incertéticas com a tratamento é vitalício (carga viral) do HIV) e imunológica do paciente”, explicado pelo ministro.

Cadastro-se na Impulso e receba semanalmente um resumo das notícias que mexem com o seu bolso — de um jeito fácil de entender:

Leia também:

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here