Como seria a intervenção cambial do Japão para combater um iene fraco? Por Reuters

0
20

© Reuters. FOTO DE ARQUIVO: Uma nota de cem dólares americanos e notas japonesas de 10.000 ienes são vistas nesta ilustração fotográfica em Tóquio, 28 de fevereiro de 2013. REUTERS/Shohei Miyano/File Photo

Por Leika Kihara e Tetsushi Kajimoto

TÓQUIO (Reuters) – O governo do Japão e o banco central estão “preocupados” com as recentes quedas acentuadas do iene e estão prontos para responder conforme necessário sobre a política monetária, disseram eles em um raro comunicado conjunto nesta sexta-feira.

“Vimos quedas acentuadas do iene e estamos preocupados com os movimentos recentes do mercado de câmbio”, disseram o Ministério das Finanças, o BOJ e a Agência de Serviços Financeiros no comunicado conjunto divulgado após a reunião de seus executivos.

É raro que funcionários das três instituições emitam uma declaração conjunta com avisos explícitos sobre os movimentos da moeda.

A última surpresa veio um dia depois que o iene atingiu uma nova baixa de 20 anos em relação ao dólar e uma queda de sete anos em relação ao euro, com as expectativas de que o Banco do Japão (BOJ) continuará a ficar atrás de outros grandes bancos centrais na saída política de estímulo.

O iene caiu 15% em relação ao dólar americano desde o início de março e atingiu uma baixa de 20 anos de 134,55 nesta semana.

O ministro das Finanças japonês, Shunichi Suzuki, absteve-se na sexta-feira de comentar sobre a possibilidade de intervenção do governo no mercado de câmbio para conter a fraqueza, mantendo seu alerta contra quaisquer flutuações rápidas.

Além da intervenção verbal, o Japão tem várias opções para conter quedas excessivas de ienes. Entre eles está intervir diretamente no mercado de câmbio e comprar grandes quantidades de ienes.

Abaixo estão detalhes sobre como a intervenção de compra de ienes poderia funcionar, a probabilidade de isso acontecer, bem como os desafios:

QUANDO O JAPÃO REALIZOU A ÚLTIMA INTERVENÇÃO DE COMPRA DE ienes?

Dada a forte dependência da economia das exportações, o Japão historicamente se concentrou em conter os aumentos acentuados do iene e adotou uma abordagem direta nas quedas do iene.

A intervenção de compra de ienes tem sido muito rara. A última vez que o Japão interveio para apoiar sua moeda foi em 1998, quando a crise financeira asiática desencadeou uma venda de ienes e uma rápida saída de capital da região. Antes disso, Tóquio interveio para combater as quedas do iene em 1991-1992.

O QUE LEVA TÓQUIO A COMPRAR ienes NOVAMENTE?

A intervenção na moeda é cara e pode falhar facilmente, dada a dificuldade de influenciar seu valor no enorme mercado global de câmbio.

Essa é uma das principais razões pelas quais é considerado um movimento de último recurso, que Tóquio daria luz verde apenas quando a intervenção verbal falha em evitar uma queda livre do iene. A velocidade dos declínios do iene, não apenas os níveis, seria crucial na decisão das autoridades sobre se e quando intervir.

Alguns formuladores de políticas dizem que a intervenção só se tornará uma opção se o Japão enfrentar uma venda “tripla” de ienes, ações domésticas e títulos, o que seria semelhante às fortes saídas de capital experimentadas em algumas economias emergentes.

COMO FUNCIONARIA?

Quando o Japão intervém para conter os aumentos do iene, o Ministério das Finanças emite títulos de curto prazo para aumentar o iene, que podem ser vendidos no mercado para enfraquecer o valor da moeda japonesa.

Se for realizar uma intervenção para impedir a queda do iene, as autoridades devem explorar as reservas estrangeiras do Japão para vender dólares no mercado em troca de iene.

Em ambos os casos, o ministro das Finanças emitirá a ordem final de intervenção. O Banco do Japão atuará como agente e executará a ordem no mercado.

QUAIS SÃO OS DESAFIOS?

A intervenção de compra de ienes é mais difícil do que a venda de ienes.

Para realizar uma intervenção de venda de dólares e compra de ienes, o Japão deve explorar suas reservas estrangeiras para dólares que podem ser vendidos aos mercados em troca de ienes.

Isso significa que há limites para quanto tempo pode continuar intervindo, ao contrário da intervenção de venda de ienes – onde Tóquio pode continuar emitindo contas para levantar ienes.

As reservas estrangeiras do Japão são de US$ 1,33 trilhão, a segunda maior do mundo depois da China e provavelmente composta principalmente de dólares. Embora abundantes, as reservas podem diminuir rapidamente se grandes somas forem necessárias para influenciar as taxas cada vez que Tóquio entrar em cena.

A intervenção cambial também exigiria o consentimento informal das contrapartes japonesas do G7, principalmente dos Estados Unidos, se fosse conduzida em relação ao dólar/iene. Isso não é fácil com Washington tradicionalmente se opondo à ideia de intervenção monetária, exceto em casos de extrema volatilidade do mercado.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here