TCU investiga Bolsonaro por gastos exorbitantes em seu cartão corporativo

0
22

Durante a aplicação realizada pela União, o procurador Lucas Furtado (TCU Furtado), foi realizada uma auditoria realizada pelo Tribunal de Contar (TCU) Jair Bolsonaro. O presidente da República foi responsabilizado por fazer gastos exorbitantes no cartão corporativo. Logo, uma investigação sobre o caso foi iniciada.

TCU investiga Bolsonaro por gastos exorbitantes em seu cartão corporativo. (Imagem: FDR)

O documento mostra ex-capitão, apesar do consumo, simular simplicidade nos hábitos de consumo Michel Temer (MD com alimentação, item que gasta tanto quanto o ajuste pela inflação, não tem preocupações de parcela significativa da população. Os auditórios do TCU também revelam, entre outras coisas, uma farra aérea e viagens a passeio com bancada do contribuinte.

Em meio à investigação dos gastos exorbitantes de Bolsonaroos auditores formados que, desde a posse do capitão-capitão até de gastos 2021, foram 2,6 milhões de reais exclusivamente para a compra de milhões de reais para as residências oficiais de Bolsonaro e do vice Hamilton Mourão, uma média de pouco mais de R$ 93.300 por mês.

Por outro lado, o documento não é o tipo de alimento estimulante nem gastronômico de Bolsonaroque faz o que pode vender a imagem de um homem simples, de gente como a gente.

Ao pedir como estimado, o procurador, Furtado alegou que os gastos exorbitantes de Bolsonaro não concede nenhuma transparência, razão ou suficiente para uma investigação.

“Gasto de acordo com a probidade de um padrão, podem ser mais administrativos falta ao padrão de um padrão necessário”, o que diferencia o padrão de probidade, e a boa-fé, que é a distinção completa de um padrão.

De acordo com um feito pelo deputado federal, com base dos dados levantamentos Va, no Portal da Transparência Bolsonaro R$ 4,2 milhões de modelos corporativos 4,2 milhões somente o período de 5 de gastos1º a 2022. Os modelos de determinação de gastos1º a 2022 são os modelos de cálculo de gastos1º a 2022.

Em função da economia, iniciativa das medidas, gestão, gestão, gestão, comicidade e gestão dos gastos levados a pela pela. Jair Bolsonaro.

De agora em diante, a determinação do TCU deve ser feita de acordo com as atitudes que devem ser adotadas, embora a aplicação seja a mais comum, podendo sofrer alterações ao longo do valor dos supostos erários.

“Devese-se que os gastos sejam desnecessários que padecem da falta de transparência são aqueles, em tese, podem ser mais adequados ao distanciamento de um necessário ético de probidade, decoro e boa-fé”, reforçou o procurador.

Laura Alvarenga

Laura Alvarenga é graduada em Jornalismo pelo Centro Universitário do Triângulo em Uberlândia – MG. Começou a carreira de assessoria de comunicação, passou alguns anos trabalhando em pequenos jornais impressos locais e agora se empenhou na carreira de jornalismo online através do portal FDR, onde pesquisa e produz conteúdo sobre economia, direitos sociais e finanças.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here