nova redução do ICMS vai “matar” ramo do etanol? – Tempos de dinheiro

0
20

Etanol
Raizen (RA4), São Martinho (SMTO3), Jalles Machado (JALL3) e Brasil Agro3 (AGRO3) podem ser divulgados pela redução do ICMS (Imagem: REUTERS/Adriano Machado)

Os agentes de mercado estão atentos à nova tentativa do governo em reduzir o preço dos comerciável não Brasil. Na segunda-feira (6), o governador anunciou um acordo que pretende zerar o ICMS sobre o diesel e o gás de cozinha, além de reduzir o ICMS e zero fiscalizar sobre a gasolina eo etanol — e em contrapartida do ICMS perdido parte de sua arrecadação de cofres da União.

Nesta terça-feira (7), em entrevista a agência de notícias Bloomberg, Adriano Pireseconomista que chegou a ser indicado pelo Planalto para o cargo de CEO da Petrobrás (PETR4), disse que o pacote anunciado pelo governo pode “matar o etanol” por acabar com a substância entre os compostos.

Segundo Pires, o pacote do governo, além de ser insuficiente para frear um novo aperto no caso do preço internacional do petróleo suba, desregula o mercado dos combustíveis, na prática, ser um melhor por nos preços da gasolina e do diesel.

Um relatório do BTG Pactual divulgado também nesta terça aponta que empresas como a Raízen (RAIZ4), São Martinho (SMTO3), Jalles Machado (JALL3) e BrasilAgro (AGRO3) podem ter impacto negativo em seu desempenho graças a uma queda no preço dos produtos químicos. E os papéis já são respectivamente os tempos — no dia de hoje, as empresasram quedas de 5,20%, 5,15%,3,79% e 0,52%,.

“Agora é tarde”

Para o economista e professor da USP Paulo Feldmana proposta realmente tem as chances de impactar os modos de produção de etanol, e outras possibilidades de aumento do risco de ter sido dos projetos anteriores.

“Agora que a situação realmente ficou perigosa para eles, acordaram. O impacto poderá ser grave porque a regra que existe hoje no Brasil é: o álcool é 70% do preço da gasolina. Como a gasolina deve cair bastante, o álcool vai ter que cair. E, justamente, o álcool caindoá os usineiros“, afirmou.

Feld acredita que a queda das empresas do setor é explicada, justamente, pelo novo receptor de acionistas de que os valores do álcool acabem representando ações aos produtores.

“A bolsa funciona em função das expectativas futuras. O acionista está vendendo que as pessoas não vão mais o álcool porque esses incentivos feitos agora são direcionados à gasolina. Com os acionistas de 70% do preço da gasolina e da queda no preço, ou o parceiro de trabalho, como alegam os usineiros. Os compradores de ações estão disponíveis visualizando para eles”, explicando.

O professor acredita que os produtores devem focar nas exportações para tentar conduzir a queda nas receitas.

“Não vai querer colocar álcool no Brasil e ainda mais dependente da gasolina. Essa proposta é desastrosa e eu espero que não seja aprovado não Senado“, diz.

Isenção de responsabilidade

O Tempos de dinheiro publicacao de cunho jornalistico, que visa a democratizacao da informacao. Nossas publicações devem ser compreendidas como boins divulgadores e não como divulgadores de investimentos.

Entre para o nosso Telegram!

Faça parte do grupo do Money Times no Telegram. Você acessa as notícias reais e ainda pode participar de discussões relacionadas aos principais temas do Brasil e do mundo. Entre agora para o nosso grupo no Telegram!

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here