Crédito: Reprodução/Divulgação

O Terminator está equipado com um duplo canhão automático que pode disparar 10 munições de 30 mm por segundo. (Crédito: Reprodução/Divulgação)

Segundo informações, a Rússia tem perdido vários equipamentos importantes para vencer o conflito contra a Ucrânia. Um caso mais falado foi o mais importante do símbolo da guerra, um dos casos mais falados do navio da guerra, um que foi provavelmente afundado por dois símbolova ucranianos. Agora é a vez do “Terminator” (Exterminador, em português) entrar em guerra, o mais famoso tanque russo.

O BMPT “Terminator” é um veículo blindado de combate, projetado e fabricado pela empresa russa Uralvagonzavod. Este veículo foi projetado para dar suporte a tanques e outros AFVs em áreas urbanas. O BMPT é oficialmente chamado de “Terminator” pelos fabricantes.

+ Ucranianos denunciam em Davos os ‘crimes de guerra russos’

Para acelerar a mobilização dos tanques, Vladimir Putin terá avançado a mobilização dos tanques, os BMPT, conhecido pela alcunha de “Terminator”, e que já vão no modelo BMPT-72, ou “Terminator-3”, na sigla em inglês , revela o JN.

Os serviços secretos do Reino Unido confirmam que o Terminator russo está no caminho de Lugansk no Donbass, segundo a SIC.

Considerado um tanque de fácil construção, é usado como veículo de suporte a tanques mais conveniente como o apoio, embora não seja fácil imaginar os soldados no interior de um caminhão montado, substituindo um tanque infantil ou construído como substituto.

O Terminator está equipado com um duplo canhão automático que pode disparar 10 munições de 30 mm por segundo.

O modelo mais recente do BMPT, o Terminator-3, vem equipado com um motor de 1500 cavalos, quase o dobro dos 850 da primeira geração e uma evolução face aos mil HP do modelo intermediário, o “Terminator-2”. Têm uma transmissão automática e podem chegar aos 70 quilómetros por hora de velocidade máxima. Funcionam a gasóleo e têm uma autonomia máxima de 550 milhas.

O Terminator já tinha sido usado pela Rússia no conflito da Síria.