Crédito: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Programa beneficia mais de 18 milhões de famílias (Crédito: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

Principal programa de assistência social do governo, o Auxílio Brasil criou uma lista de espera de mais de 1,3 milhão de pessoas no mês de março.

De acordo com o estudo do Conselho Nacional de Municípios (CNM) publicado pelo jornal O Estado de S.Paulo, esta lista vem aumentando mês a mês. Em janeiro o Ministério da Cidadania chegou a dizer que a fila zerada. Já em fevereiro, esse número havia subido para 1 milhão.

+Jerome Powell toma posse para segundo mandato de quatro anos à frente do Fed

A fila do auxílio é recebida para receber as pessoas que receberam o benefício, mas ainda não foram aprovadas no chamado CadÚnico. Há também uma chance desses números serem ainda maiores por conta da subnotificação.

Segundo o estudo CNM, oito mil das famílias que aguardem que estejam sendo mantidas no cadastro. Além disso, 233 mil famílias possuem filhos de até quatro anos. Os municípios são os responsáveis ​​pelo cadastro inicial dos beneficiários.

Fila da fila

A Rede Brasileira de Renda Básica (RBRB) alerta que há um adicional de que é a chamada “filme da fila”, composta por pessoas em vulnerabilidade tão grave que nem sequer formalmente completar seus cadastros nos Centros de Referência de Atendimento Social (Cras) das cidades e nem fazem parte da fila oficial.

Segundo o Estadão, em uma reunião que a rede fez com o Ministério da Cidadania, o presidente da organização, Leonardo Ferreira, disse que a pasta não nega que a fila já está acima de 1 milhão de pessoas. O governo, porém, dificultando o acesso a esses dados, segundo a RB.