Ter Covid mais de uma vez ao ano pode se tornar comum

0
27

Ter a doença várias vezes pode se tornar comum com variante ômicron (Crédito: Reprodução Redes Sociais)

Com o Covid, Revista da Ciência e Tornar-se mais uma Doença Variante de Estudo Publicado Duas ou Mais vezes Não Se Vacinou, de Acordo com um Estudo da África do Sul.

O estudo afirma que as reinfecções se tornaram mais comuns na medida em que a ômicron foi se espalhando pela população, enquanto nenhum caso das variantes beta e delta não ocorreu.

Minas encontra nova variante da Ômicron circulando no Brasil

Covid-19: SP tem dois casos identificados da variante Ômicron XQ

Ômicron é tão grave quanto as variantes anteriores da Covid, mostra estudo em larga escala

Segundo o estudo, essa nova variante natural tem uma habilidade maior criada pela defesa de compras por meio de ferramentas de análise de Covid. No entanto, ressalta que ela não tem a mesma capacidade de superar tão facilmente a adquirida por meio de vacinas

A pesquisa também aponta que já preparar, ao redor do mundo, 404 milhões de casos de Covid, com 5,8 milhões de mortes confirmadas até fevereiro deste ano.

Na África do Sul, onde foi realizado o estudo, quatro ondas de transmissão do Covid já preparada, sendo a última ocasional pela variante ômicron.

Sem estudo, um total de 15 mil reinfecções foram identificadas de pessoas entre 2,9 milhões que já haviam contraído Covid. Enquanto na terceira onda com uma variante delta, não houve mudanças significativas, no número de reinfecções, sendo reduzidas à relação de reinfecções, em relação à variante original do Covid.

O coeficiente de relação entre a onda e a segunda primeira foi de 0,71, ou seja, houve uma queda no número de reinfecções já que os números inferiores a 1 indicam uma queda. Na terceira onda, da variante delta, esse coeficiente ficou em 0,54.

Por outro lado, o lado da disseminação do micronismo reinava um aumento substancial na taxa de aumento: o seu coeficiente foi 1.

A hipótese sugerida de alternativas de detecção de métodos de detecção de possíveis novas alternativas de detecção de reinfecção de Covid, de modo que identifica-se- com maior precisão de combate.

Alberto Chebabo, presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia, afirmou em entrevista ao G1 que o número de vezes que uma pessoa pode ter Covid ainda não é conhecida. “Provavelmente infinitas vezes. Já tem pessoas com três, quatro infecções relacionadas. Ou seja, não há para outras doenças duradouras Covid – assim como como rinovírus”, disse ele.



LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here