Dilatação das pupilas, ritmo cardíaco acelerado nos genitais, maior afluência de sangue e aquele calor que vem de dentro para fora. São muitos os indicações da excitação sexual. Apesar de ser individual como cada pessoa percebe o próprio tesãoalguns sinais podem ser identificados em comum por todos que já sentiram um desejo ardente de transar.

Pesquisas na área da sexualidade já identificam inúmeras respostas do teste e as várias respostas do nosso corpo quando excitado sexualmente. Mas, a nova descoberta é que até mesmo nossa respiração pode entregar que estamos com vontade de transar.

Cientistas internacionais e equipe do SexLab – Laboratório de Investigação Sexualidade Humana, na Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto, que estimulam também o Porto de ser na inspiração.

0

Tesão no ar

O estudo foi publicado na revista científica Relatórios Científicose foi demonstrado que existem pessoas muito fortes na respiração de sexualmente.

Para a investigação, 12 homens e 12 mulheres assistiram a diferentes filmes de dez minutos no laboratório. Os conteúdos variam de forma aleatória entre documentários sobre viagens pela natureza, de terror, jogos de futebol e filmes eróticos. Enquanto isso, a excitação sexual das pessoas foi medida e, simultaneamente, os investigadores fazem Instituto Max Planck analisaram a respiração a nível dos compostos orgânicos voláteis.

Durante os filmes óticos, foi registrada uma maior relevância na quantidade de vários tipos de voláteis orgânicos na respiração, na concentração de dióxido de carbono e isopreno.

Os especialistas responsáveis ​​pela pesquisa explicam: “O Fato de Dióxido de Carbono e Concentrado, na Educação, Teraqueroso Pode Derivar do Fato Mais Fluxo nos Aparelhos Genitais do Que Nos Musculados e Nos Pulmões” Nijing Wanga primeira autora do estudo.

Outro ponto é que nos homens, foram elaboradas substâncias que desempenhar um papel importante na resposta de excitação sexual. Entre outros efeitos, permitiu um estado mais eufórico durante o tesão. Inclusivamente, um dos participantes, reconhecidos em reconhecimento dopamina não há, considerado o hormônio da.

A respiração te entrega

A conclusão do estudo revelou que quando os participantes estavam com tesão, menos substâncias como isopreno e dióxido de carbono, mas aumentaram a concentração de produtos de participantes de neurotransmissores de especificação.

De acordo com os envolvidos, esta descoberta futura poderá permitir uma nova técnica de avaliação clínica da atividade sexual e ajudar a melhorar o diagnóstico das disfunções sexuais.

Confira o podcast Prazer sem tabus: