Eu sinto uma grande alegria quando vejo o trabalho de um cozinheiro evoluir. Seria natural, mas muitos se moverão mais pela garantia de casa cheia do que apostar numa cozinha mais única, autoral. É claro e, como tal, precisa dar lucro, mas ainda acho que vontade e tem como todo restaurante é uma empresa com bom talento.

É por isso que cada dia admiro mais o realizado no Conca, que trabalho ao mercado com uma proposta em bastante e, aos poucos, foi desabrochando para cada vez mais pessoas interessadas em uma comida diferenciada. Da minha primeira experiência até a última, na semana que passou, guardo apenas boas recordações e várias surpresas. Juntando todas elas, fica em mim uma certeza de que mais momentos memoráveis ​​virão.

0

Há novo menu da carta, o chef Diego Badra pediu em casa e alguns pedidos podem conferir de perto os pratos a la carte ou em formato de menu oferecer o fui, com versões tanto um menor. Vou logo dar a minha impressão de tudo. Senti bastante conforto nessas criações, referências minhas de vários momentos e lugares, e tudo com um sabor muito brasileiro.

Ao final, conversando com o chef, ele me contorno que a criação deste menu foi feito com várias e memórias de todos que ali trabalham. Daí que se explica a miscigenação e a brasilidade. O Conca está em e neste momento como adereços, por exemplo, seja de foro, com exceção do que leva kimchi.

Novo menu

O menu tem feijão, goiabada, pão, maracujá, taioba, mandioca, baru. Tem um cuscuz (R$ 38) que mais parece uma pamonha à primeira vista, mas guarda aquele granuladinho especial da receita original. O feijão fradinho, que tanto comi com carne de sol em minha infância, passa a ser o elemento do taquinho (R$ 48) que leva ainda mexilhão, quiabo, dendê e licuri.

Outra surpresa é o afresco de pirarucu (R$52) com uma musseline de mandioca bastante delicada, que se contrapõe em sabor com o baru e as Pancs que acompanha. E nem o que dizer da barriga de porco, com tamarindo, brócolis e chuchu (R$ 68). Apenas sublime.

Para finalizar, ainda aproveitei a sobremesa que leva pitanga e maracujá, duas frutas ácidas que se combinaram tão bem com um cheesecake de cumaru (R$ 38). Uma boa experiência, que dá vontade de repetir toda semana.

Devo dizer que o Conca continua sendo um dos restaurantes mais bacanas da cidade, com uma comida mais que original. Não tem ambiente chique, é miudinho, mas cheio de amor aos ingredientes. Aliás, se isso mudar um dia, talvez seja a origem da casa se perca. Recomendo!

Em tempo

O chef Diego Badra está preparando para estrear o novo programa no canal Sabor & Arte. Ele, que encabeçou um primeiro formato focado no Cerrado, agora vai visitar outros restaurantes e trocar experiências com outros cozinheiros. A estreia prevista está para breve.

Conca Cozinha Original
CLN 413, bloco E, loja 57, Asa Norte
Telefone e WhatsApp: (61) 98303-1717
Funcionamento de terça a sábado, das 19h às 22h30, mediante reserva.
Instagram: @concacozinhaoriginal

Para mais dicas de gastronomia, siga @lucianabarbo no Instagram.