Rodoviários anunciam greve e transporte público pode ser paralisado; entenda o caso

0
35

O Sindicato dos Rodoviários do Rio de Janeiro decidiu, na última segunda-feira (9), que entrará em greve permanente após uma audiência com o TRT (Tribunal Regional do Trabalho) terminar sem acordo. A reunião havia sido marcada para atender os dissídios coletivos de 2020/2021 e 2021/2022.

A categoria vem, chegará pela reajuste salarial do Rio e outras há meses, reclamam de não ser reclamada pelo Rio Ônibus, sindicato que reúne as empresas de transporte público Rio de Janeironem pela prefeitura.

“A partir de hoje a categoria está em estado permanente de greve. Os trabalhadores têm direito ao reajuste, e não são concedidos pelas empresas, acreditamos que a justiça o fará. Sabemos da insatisfação de todos, mas não podemos contribuir para que a população pague por uma que não conta é dela e nem nossa”, declarou Sebastião José da Silva, presidente do sindicato dos rodoviários.

Sebastião também aguarda uma decisão final do TRT até o dia 19 de maio. Se essa decisão não vier, “o tribunal terá que julgar a greve da categoria”.

Os trabalhadores pedem reajuste de benefícios como a básico, que estão defasados ​​há três anos. Até nenhuma agora, as empresas não pareciam proposta aos rodoviários.

Apesar do anúncio de greve, o transporte público no Rio segue nesta semana.

Última greve foi em março

A última greve dos rodoviários ocorreu em 29 de março, mas durou apenas um dia. Na ocasião, apenas 50% da frota circulou na cidade e formaram-se filas enormes nos terminais de embarque de ônibus, trens e metrô.

O movimento foi interrompido depois que o Tribunal Regional do Trabalho concedeu liminar ao Rio, declarando a paralisação dos ônibus rodoviários de R$ 200 mil por dia ao sindicato, em caso de continuidade da multa. Uma audiência de conciliação foi marcada para 4 de abril, na qual as empresas não oferecem proposta de reajuste.

A decisão judicial para alcançar suas conformidades deve ser decidida judicialmente. No entanto, segundo Sebastião José da Silva, o TRT está condicionando o reajuste das remunerações a um aumento nas tarifas de transporte público.

Amaury Nogueira

Amaury da Silva Nogueira é bacharelando em Letras/Edição pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Apaixonado pelo universo da escrita, atua há dois anos como redator e realiza pesquisas sobre história da edição no Brasil. Além disso, atualmente agrega pesquisa também sobre direitos e benefícios sociais para conhecimento na redação do portal de notícias FDR.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here