Em recuperação da justiça, Ricardo Eletro tenta sair do “fundo do poço”

0
38

Quem acessa o site da Ricardo Eletro para promoções de televisores e máquinas de lavar pode ficar frustrado. Isso porque no site aquele que já foi um dos maiores representantes de eletrônicos do Brasil existem alguns itens aleatórios à venda, apenas como colchonetes para exercícios e um repelente.

Segundo o Presidente da companhia, Pedro Bianchi, essa realidade está prestes a mudar. Já no próximo me, um negócio – que é uma marca da Máquina de Vendas – irá retomar a comercialização dos mais variados itens e de diversas marcas por seu Market, com uma marca totalmente Reformulada. E, futuramente, voltará a operação própria.

“A empresa chegou ao fundo do poço, mas agora estamos apostando em uma Reformulação total e uma pegada mais digital, porém sem megalomania” por afirma Bianchi.

Para entender a situação atual da companhia é preciso voltar um pouco no tempo. Após uma construção em série de novidades, novas regiões no começo da década passada por Ricardo Eletro, cujo dono era o empresário Ricardones, surgiu uma década.

Além da marca principal, o grupo tinha outras, como Insinuante, Salfer, City Lar e Eletroshopping. O faturamento chegou a R$ 9,5 bilhões em 2014, com 1,2 mil lojas.

Porém, com dificuldades de assimilar as empresas adquiridas e uma operação digital bem registrada da concorrência, tudo começou a desandar.

Em 2018, veio a recuperação extrajudicial – aos bilhões em dívidas com bancos e fornecedores – e a promessa de que as coisas iriam graças a mudar. Foi nessa época que Bianchi então sócio do fundo Starboard, entrou no comando da empresa.

A pandemia complicou o cenário da já combalida de Vendas, que decidiu fechar todas as lojas. Resultado: a receita da empresa foi minguando, $ 180 milhões de R$ em 2019 cálculos para 2010 praticamente zero.

Para, por dívidas tributárias, Ricardo Nunes foi preso em 2020, acusado de completar a negação, mas ficou só um dia na cadia.

Bianchi comprou a participação de Nunes e o antigo dono partiu para a vida de treinador.

Durante a pandemia, Bianchi decidiu largar sua carga na Starboard para focar totalmente na Máquina de Vendas. Com isso, sua principal missão foi renegociar todas as dívidas da companhia, que chegam a R$ 4 bilhões, além de R$ bilhões em atraso de mais tributários.

O resultado disso tudo foi que a empresa precisou entrar em recuperação da justiça.

apresentador

Enquanto isso era feito, a empresa se readequou à nova realidade. O número de funcionários – que chegou a ser de 28 mil – está em 40, com a maioria trabalhando em casa e alguns no modelo híbrido, em uma pequena sede em Contagem (MG).

O sistema de e-commerce, que era próprio, foi trocado pelo da VTEX.

Com o novo, Bianchi aposta na oferta de fornecedor cobrando comissões menores nas vendas em comparação com seu site momentos rivais para fazer frente nesse novo.

Com essa estratégia, Bianchi a Máquina de Venda volta a ter vendas brutas de $ 120 estimado de R$ até o fim do ano milhões.

O retorno das lojas físicas está disponível para 2023, por São Paulo e Minas Gerais.

“Apesar de nunca termos tidos em São Paulo, é o mercado que mais compra do nosso e-commerce. E também estamos estudando voltar com algumas marcas, pois há muitos consumidores perguntando a volta de lojas como a Salfer e Insinuante”, diz o residente .

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here