Fogo Sagrado ilumina o Santo Sepulcro de Jerusalém Por Reuters

0
42

5/5
© Reuters. Metropolita Fenidictus, Patriarcado de Belém, participa da cerimônia do Fogo Sagrado, na Igreja da Natividade em Belém, na Cisjordânia ocupada por Israel, 23 de abril de 2022. REUTERS/Mussa Qawasma

2/5

(Corrige a ortografia no primeiro parágrafo)

Por Henriette Chacar

JERUSALÉM (Reuters) – Com procissões, cânticos e ululações, milhares de cristãos palestinos e peregrinos celebraram a cerimônia do Fogo Sagrado na Igreja do Santo Sepulcro de Jerusalém neste sábado, a primeira a ser realizada desde que Israel impôs novas restrições à participação.

Citando a segurança pública, as autoridades israelenses procuraram limitar a participação a 1.700 fiéis, uma medida criticada pelos líderes da igreja como uma violação do direito à liberdade de culto. Foi posteriormente aumentado para 4.000.

A misteriosa cerimônia milenar, que celebra a ressurreição de Jesus, atraiu mais de dez mil fiéis em anos anteriores.

Após horas de expectativa da multidão, o patriarca ortodoxo grego de Jerusalém entrou na tumba onde os cristãos acreditam que Jesus foi sepultado e emergiu carregando uma vela acesa – sem a ajuda de fósforos.

Em segundos, a luz se espalhou pela igreja escurecida que é reverenciada pelos cristãos como o local da crucificação, sepultamento e ressurreição de Jesus. Os sinos competiram com os aplausos da multidão enquanto uma névoa enfumaçada enchia as capelas.

Michael Toumayan, um cristão armênio de 36 anos, foi um dos primeiros a receber a luz.

“É uma honra”, disse ele. “Meu pai faz isso desde criança e está passando essa tradição para mim.”

Após dois anos de restrições de viagem do COVID-19, Israel recentemente começou a permitir que turistas estrangeiros voltassem ao país e cristãos chegaram de todo o mundo.

Foi preciso “muita fé e determinação” para conseguir, disse Alina Lord, 48, que veio da Romênia. Ela acordou às 5 da manhã para comparecer e conseguiu garantir uma posição em frente à abertura da tumba.

Para Sophia Gorgis, 65, que fugiu da guerra síria para a Suécia, foi um sonho de toda a vida celebrar a cerimônia do Fogo Sagrado em Jerusalém.

“Não tenho palavras”, disse ela, engasgando. “Assim que recebemos nossos passaportes (suecos), nos inscrevemos para esta viagem.”

O Santo Sepulcro fica no coração do bairro cristão da Cidade Velha em Jerusalém Oriental, que Israel capturou em uma guerra de 1967 e depois anexou em um movimento que não ganhou reconhecimento internacional.

As igrejas ortodoxas grega e armênia compartilham a custódia do Santo Sepulcro com os católicos romanos, que celebraram a Páscoa na semana passada.

No passado, a luz incendiava as roupas das pessoas, até mesmo seus cabelos, disse Tareq Abu Gharbiyyeh, chefe dos bombeiros de Jerusalém Oriental que protege a cerimônia há 30 anos.

“Felizmente, não foi nada sério”, disse ele.

Este ano, também, a cerimônia terminou com segurança.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here