Ontem foi um dia importante para o nosso país pelo simbolismo, diz Bolsonaro após perdão a Silveira

0
65

BRASÍLIA (Reuters) – O presidente Jair Bolsonaro afirma Nesta Sesta Fira concessão ao deputado Daniel Silveira (B-RJ) na véspera teve o simbolismo do ele expressam e aliados ministros da liberdade de que, tese, rejeitar o 10 dos 11 Supremo Tribunal Federal (STF) que condenaram o parlamentar por ataques ao deputado e os funcionários Dacourt.

O tribunal decidiu na quarta-feira submedido o deputado bolsonarista a pena de 8 anos e 9 meses de reclusão, em autoridade inicial fechada, além de multa e perda do mandatário parlamentar. Um dia depois do julgamento, no entanto, Bolsonaro anunciou uma concessão de perdão ao parlamentar por meio de julgamento constitucional, medida co potencial para abrir nova crise com a cúpula do Judiciário.

“Ontem foi um dia importante para o nosso país”, disse o presidente nesta sexta-feira, em evento de homenagem aos 522 anos de chegada dos portugueses ao Brasil.

“Não pela pessoa que estava em jogo ou por quem foi o protagonista deste episódio, mas o simbolismo de que nos temos mais que o direito, nos temos a garantia da nossa liberdade”, acrecentou Bolsonaro.

Anunciado pelo Presidente por meio de redes sociais, antes mesmo do trânsito em julgado do processo contra Silveira, o decreto com a graça foi publicado em edição extra da quinta-feira do Diário Oficial da União.

O deputado foi condenado na quarta-feira pelo STF pelo crime de coação no curso do processo e atentado ao Estado Democrático de Direito, ao proferir discurso de incentivo à violência com ataques à justiça e aos ministros da corte.

Daniel Silveira foi em flagrante por crime inafianável no início de 021 após determinação de Alexandre Moraes, no âmbito de outro inquérito, o que trata da divulgação de notícias falsas.

O teriaria, segundo denúncia da Procuradoria-Geral, o deputado passado, o ministro, segundo denúncia e em redes TF. A denúncia cita vídeos postados pelo parlamentar em que constam “ameaças e imprópria dirigidas aos ministros do Supremo, mas também incitação à animosidade entre as Forças Armadas e o tribunal”.

Para a PGR e a maioria dos membros do STF o parlamentar não pode usar um parlamento ou do princípio a liberdade de expressão como escudos para proferir ataques a democracias.

partido da oposição entrou com ações no próprio Supremo Contra o decreto de Bolsonaro.

cadastro pulso e receba semanalmente um resumo das notícias que mexem com o seu bolso — de um jeito fácil de entender:

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here