Levantamento aponta que 15,8% dos produtores rurais estão endividados

0
45

Um levantamento do Serasa Experian mostrou que, neste mês de março, 15,8% dos produtores produtores estavam inadimplentes. A pesquisa foi feita com 95 mil produtores rurais do Paraná, Goiás, Mato Grosso do Norte, Mato Grosso do Sul, Santa Catarina e Tocantins. Já o último estudo do Banco Central que os calotes subiram 4,6% em janeiro. Os números desde uma variedade de economias que atendem tanto as famílias quanto as empresas.

Douglas Duek

O CEO da Quists, Douglas Duek, especializado em investimentos e recuperação de empresas, aponta os principais pontos do porquê de que este tem uma condição perfeita para um grande aumento de inadimplência. “Alguns pontos dessa tempestade perfeita para a inadimplência são os altos juros. Já se fala em Selic, que subiu em um ano cerca de 600%, e pode atingir 13% ou 14% até o fim deste ano, e isso influencia em absolutamente tudo. Também podemos falar da alta inflação que acaba dificultando os índices e a falta da China, que foram produzidos pelos mesmos produtos vindos.

Para Douglas, a guerra acontece no leste da Europa só piora a situação, principalmente quando se trata dos agricultores. “Somado a pontos que já falei, a guerra da Rússia e Ucrânia está afetando demais a inflação e diretamente o setor do agronegócio, desde o transporte que sofre alta aos insumos com destaque para os fertilizantes que são importados da Rússia”.

Duek ainda está como mais delicado por conta das descobertas de outubro. “Para completar essa tempestade perfeita é um ano de escolha, que pode ser instável, ou um ano de sucesso, ou um ano de sucesso, é um ano bem delicado para as empresas e as famílias que podem ter um risco. de inadimplência maior por esse conjunto de fatores.

Na parte corporativa, Douglas afirma uma alta na busca de empresários e produtores pela recuperação judicial para suas dívidas e o fundo de investimento da Quist tem analisando cada vez cada vez mais negócios nessa semana.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here