conheça 5 rainhas de bateria “crias da comunidade”

0
65

Todos os anos, alguns meses antes do Carnavalo público é bombardeado com notícias relacionadas às celebridades que será rainhas de bateria no desfile das escolas de samba do Rio de Janeiro.

Contudo das famosas que somos, além de atrizes cantoras ou modelos, existem também como rainhas bateria “crias da comunidade”. Chamadas também de “pratas da casa”, esses sambistas têm participação nas escolas desde a infância.

Não conhece? UMA coluna Claudia Meireles elenca cinco rainhas de bateria do Grupo Especial do Rio de Janeiro que, antes de estarem à frente da bateria, tiveram uma história com a escola.

Confira:

Evelyn Bastos – Estação Primeira de Mangueira

Formada em Educação Física e História, Evelyn Bastos, de 28 anos, nasceu e cresceu no Morro da Mangueira, localizada na Zona Norte do Rio de Janeiro. No posto desde2014, Evelyn já participou de dois campeonatos da Mangueira como rainha – em 2016 e 2019.

Rainhas de bateria
Evelyn Bastos na avenida pela Mangueira
Rainhas de bateria
Evelyn é nascida e criada no Morro da Mangueira

A carioca é filha de Valéria Bastos, que esteve à frente da bateria verde e rosa de 1987 a 1989. Além disso, chegou a ser rainha da bateria da Mangueira do Amanhã, a escola de samba mirim da agremiação.

Em seu Instagram, além de seu dia a dia como rainha, Evelyn compartilha o espaço de sua marca de roupas, La Reina, e utiliza o para mostrar seu lado ativista. Aos seus seguidores, bela sempre faz questão de reforçar que o Carnaval também é um ato de resistência, e se considera um representante das mulheres periféricas.

Raissa de Oliveira – Beija-Flor de Nilópolis

Com 31 anos, Raissa de Oliveira – que está à frente da bateria da Beija-Flor de Nilópolis – acaba de completar nada menos que 20 anos de agremiação. Seu primeiro desfile pela escola foi em 2003, ainda com 12 anos de idade. Desde então, nunca mais saiu. Nesse período, a carioca já faturou oito campeonatos junto à Beija-Flor.

Rainhas de bateria
Raissa de Oliveira é rainha da Beija-flor desde os 12 anos de idade
Rainhas de bateria
Este ano, a majestade completa 20 anos à frente dos ritmistas

Raissa nasceu e cresceu em Nilópolis, cidade da Baixada Fluminense do Rio de Janeiro, e frequenta a escola desde muito criança. Formada em Jornalismo, a sambista credita à Beija-Flor a oportunidade que teve de estudar e dar uma vida melhor para sua família.

Bianca Monteiro – Portela

Nascida e criada em Madureira, bairro da Zona Norte do Rio de Janeiro, Bianca começou na Portela ainda como passista mirim. Ocupou o posto por 14 anos, até ser convidado, em 2017, a realizar seu maior sonho: estar à frente da bateria da azul e branca.

Rainhas de bateria
Bianca Monteiro começou a desfilar na Portela ainda como passista mirim
Rainhas de bateria
Nascida e criada em Madureira, Bianca é rainha desde 2017

Além de ser rainha, Bianca dá aulas de samba durante o ano por todo o Brasil, e também é CEO da Oficina Paulo da Portela, um projeto artístico em homenagem a Paulo Benjamim de Oliveira – grande ídolo da escola de samba – para jovens e adultos da Zona Norte.

Raphaela Gomes – São Clemente

A carioca Raphaela Gomes, de apenas 22 anos, completará nada menos que 18 anos em desfiles pela São Clemente na Marquês de Sapucaí no próximo sábado (23/4). Raphaela não só é cria da comunidade como traz a história da São Clemente em sua família, uma vez que é neta do fundador da escola e filha de seu atual presidente.

Rainhas de bateria
Raphaela, com 22 anos, completa 18 de São Clemente, com seu primeiro desfile aos 4 anos
Rainhas de bateria
A rainha é neta do fundador da escola e filha do atual presidente

Apesar de ter desfilado pela primeira vez ainda com quatro anos de idade, foi nomeada ao posto de rainha aos 15, de onde não saiu desde então (e nem pretende).

Giovana Angélica – Mocidade Independente de Padre Miguel

Apesar de Giovana Angélica ocupar o posto de rainha apenas desde 2020 e ter estréia no sábado (23/4), não se engane – ela é nascida e criada em Padre Miguel, verdadeira sua cria da comunidade. Antes musa da escola, a carioca de 33 anos foi escolhida pela diretoria para estar à frente da bateria por conta do samba no pé e da história com a verde e branco.

Rainhas de bateria
Giovana fará sua estreia na avenida com a Mocidade este ano, mas frequenta a escola a infância
Rainhas de bateria
Para dar vida ao enredo de 2022, que homenageia Oxóssi, raspou o cabelo

E o amor pela Mocidade é tanto que, nos últimos dias, Giovana chamou a atenção da mídia por dar uma prova de comprometimento à escola: para entrar na avenida com o cabelo que homenageia o orixá Oxóssi, ela raspou o. Assim, vai ficar parecido com os ritmistas e vai entrar 100% no personagem.

Para saber mais, siga o perfil da coluna no Instagram.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here