PIX parcelado; economia explica como vantagens e do serviço bancário

0
82

Novo serviço bancário deve reformular o funcionamento do crédito no país. Recentemente, o Banco Central informado que está sendo novas atribuições para o PIX. A partir do segundo semestre deste ano, o pagamento poderá acontecer como uma espécie de crédito, tendo seu valor dividido. Abaixo, veja o que um especialista diz sobre o assunto.

Criado em 2020, o PIX Já se consolida como um grande fenômeno nos serviços financeiros. A função que permite os responsáveis ​​agora também autorizar parcelamento de seus valores. A novidade foi confirmada pelo Banco Central que garante uma série de benefícios para o cidadão.

De acordo com o BC, o parcelamento pelo PIX passará a funcionar no segundo semestre deste ano. No entanto, algumas fintechs já estão disponibilizando esse serviço, como o Nubank. Ao retornar a opção, é importante ficar atento como taxas de juros que está entre 2% e 20%.

Buscando perguntas sobre esse assunto o FDR, Gustavo Bertotti economista chefe da Messem que traz as principais informações sobre o novo serviço de pagamento. Verifique abaixo uma entrevista exclusiva com o especialista:

Como funciona o PIX parcelado?

O PIX é um tipo de contratação de crédito pessoal, já que ao fazer o parcelamento, o cliente está solicitando ao banco uma antecipação do valor da transação. Com o pagamento em parcelas, o banco lucra com o acréscimo de juros.

Essa nova ferramenta vai acabar com o cartão de crédito?

O seguro de novas modalidades de pagamento e financeiro é positivo para todo o mercado de instituições financeiras e clientes.

Qual a diferença entre o parcelamento do pix e o uso do cartão de crédito?

A diferença entre o parcelamento é que nos juros, ao dividir no cartão, os custos da operação ficam com o vendedor, e não com o cliente. A maior parte dos lojistas repassa esse custo de forma implícita, embutindo o valor das taxas no valor do próprio produto. Já no PIX parcelado, os juros devem ser exibidos no momento da contratação e já indicam o caso personalizado direto para o cliente.

as taxas de juros em ambos os serviços?

O mercado determinará quais serviços terão mais segurança dos clientes. Por se tratar de um cliente, a modalidade do PIX parcelado só são assegurados a um grupo de clientes que já são aprovados. As taxas de juros começam em torno de 2% e de acordo com o mês de avaliação para risco de crédito do cliente.

Quais são as vantagens de aderir ao pix parcelado? como quais?

A principal vantagem é que o consumidor pode ter um desconto pagando à vista por um produto e parcelar junto ao seu banco. Mas, como toda modalidade de crédito, o parcelamento deve ser usado em caso de necessidade financeira, já que há cobrança de juros.

Em que situação se recomenda o uso do pix e quais os melhores momentos para ocorrer ao cartão de crédito?

No caso do PIX parcelado, os bancos liberam o valor para clientes com crédito aprovado. Cada cartão de crédito tem seu limite, que pode ser utilizado numa posterior compra.

Qualquer pessoa pode usar o pix parcelado?

O uso depende da relação cliente/instituição financeira e se há um crédito pré-aprovado.

O sistema de parcelamento do pix é seguro?

O sistema do PIX é regulamentado pelo Banco Central e é considerado seguro como toda a operação financeira. O Banco Central prepara a versão oficial do parcelamento do Pix, mas os bancos já se adiantaram.

As operadoras de cartão de crédito devem baixar suas tarifas para manter a clientela?

O mercado ainda está se adaptando às mudanças e é cedo para ter um diagnóstico.

Atualmente, quais as linhas de cartão de crédito mais vantajosas no mercado nacional?

Como vantagens das linhas de cartão financeiro da instituição de crédito, modalidade do cartão e da instituição de relacionamento cliente/banco.

O que você achou? Siga @fdrnoticias sem Instagram para ver mais e deixe seu comentário clicando aqui.

Eduardo Andrade

Maria Eduarda Andrade é mestra em ciência da linguagem da Universidade Católica de Pernambuco, modelada em Jornalismo na mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguística, com foco na Análise Crítica do Discurso. No mercado de trabalho, passou por veículo veículo impresso, sendo repórter do marcas nacionais de Pernambuco, além de assessorar como Devassa, Heineken, Algar Telecom e Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDRonde já acumula anos de experiência e pesquisas sobre economia popular e direitos sociais.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here