Entenda como ‘pensa’ uma Inteligência Artificial | Eletrônicos

0
37

Inteligência artificial (IA) é uma denominação para técnicas que permitem um computador realizar ações com alguma autonomia, imitando o comportamento da inteligência humana no processo — inclusive com a capacidade de experiências para tomar decisões e aprender com a. IAs são comuns no dia a dia, presentes em serviços, dispositivos e em uma série de pesquisas cada vez mais destacadas em campos da ciência. Seu funcionamento, contudo, ainda é desconhecido por grande parte dos usuários.

Uma IA “pensa”? Por mais impressionantes que os resultados são potenciais para o futuro, as aplicações de inteligência artificial ainda são, provavelmente, oferecidas. A seguir, você vai entender quais são essas características sobre você, o funcionamento geral de uma tecnologia tipo e as aplicações em que a IA vem.

Inteligência artificial vai de pesquisa de ponta na medicina a assistentes virtuais — Foto: Maira Soares/TechTudo

O que diferencia uma inteligência artificial de um programa de computador comum é o reconhecimento de padrões. Em um software resolvido apenas para resolver uma tarefa, o computador criado pelo desenvolvedor: não tem margem para que a máquina e tome que saia do script.

Já em uma IA, a abordagem é outra. O computador é treinado na resolução de um determinado tipo de problema tendo acesso a milhares (ou milhões) de exemplares que definem aquele problema. O computador reconhece a capacidade de identificar esses mesmos padrões e outras amostras de dados.

Como tudo isso ocorre de forma independente da programação — a IA constrói sozinha suas regras e “interpretação” dos dados a que tem acesso —, define-se esse tipo de tecnologia como inteligência artificial.

A inteligência artificial pensa?

Técnicas usadas no upscaling de imagens em análise de TV mostram como a IA funciona: reconhecimento/Nvidia

Computadores não têm uma habilidade de pensar. Embora haja essa limitação, têm a vantagem da velocidade e uma capacidade de realização em alguns poucos segundos, a capacidade de manter uma equipe de máquinas ocupadas por horas. É essa capacidade, somada a animais de programação bem, que dá ao PC, celularautomóvel inteligente ou outro dispositivo a capacidade de parecer.

Se não pensa de verdade, então como a IA funciona? Em linhas gerais, as ações que parecem fruto da inteligência são, na verdade, o resultado de um processo de verdade em que o computador é exposto a padrões. Sendo expostos a milhões de exemplos de um determinado tipo — texto ou mesmo sistema de peças de xadrez —, passam lentamente a categorizar como variações existentes, cada um a ponto de peças de elementos e exemplares.

Uma IA treinada para xadrez, por exemplo, pode aprender mesmo o jogo sozinha, simplesmente ao observar a evolução da evolução natural das jogadas que examina. Além de aprender como regras, o computador pode dominar padrões variados ou bastante para criar suas próprias jogadas, complexo o suficiente para vencer mesmo o melhor jogador humano.

O tipo também vem sendo aplicado na seleção de resultados de aferições das variações do clima, na agricultura, na pesquisa espacial.

Um exemplo prático desse tipo de aprendizado de máquina vem sendo observado na medicina. Um especialista precisa analisar o resultado de um exame com cuidado para diagnosticar o paciente e, eventualmente, deixar escapar um detalhe. Um computador treinado com milhões e milhões de exames, contudo, pode tornar melhor a tarefa de trabalho de identificação de traços de enfermidades do que um especialista.

Isso não quer dizer que o computador ou “pensou” para atingir o resultado—que usou um método de medição na medida da quantidade de grandeza imagens para ser capaz de identificar os mesmos traços em outras imagens.

Limites da inteligência artificial

Sistemas de outras marcas: Tech Tudo em carros da Tesla e são exemplos de aplicações de IAs atualmente

As aplicações de inteligência artificial têm um viés estatísticos. Trata-se de uma solução excelente para resolver problemas em que a resposta não é binária — isto é, em que a solução não está entre um sim ou não. As inteligências artificiais hoje se sobressaem em gerar resultados na avaliação de problemas complexos, em que os padrões são determinantes.

Um exemplo hipotético pode ter dificuldade, por exemplo, para observar o semáforo e tomar a decisão correta a partir da posição vermelha: entre dois tipos de núcleos parar, verde para seguir em frente. A formação para isso está no fato de que qualquer oscilação na coleta de dados, ou no repertório a que a IA teve acesso durante o resultado, pode introduzir um comportamento inesperado na criação de decisões a partir do resultado.

Se alguma inconsistência, o computador pode acabar decidindo pelo caminho errado. Fabricantes de carros com algum tipo de autonomia, por exemplo, precisam enfrentar casos extremos o tempo todo, não só no reconhecimento do semáforo, mas também de guias no asfalto, placas e tudo mais (além, claro, de outros meiospedestres e animais).

Saindo da hipótese e indo para casos reais, a Tesla, a tecnologia já reconhecida pela sua causa de acidentes de detecção de gordura pode ser reconhecida pela falha da IA ​​de detectar corretamente falhas. Ao menos em oportunidades, ambas com marca vítimas fatais, os carros não perceberam um caminhão cruzando a estrada. A IA manteve os carros no percurso e colidiu na transversal com as carretas.

Onde já está funcionando?

Celulares usam IA para escolher padrões de uso e economizar bateria — Foto: Reprodução/Youube

Aplicação de algum tipo de IA já é algo comum na rotina de muita gente: o assistente virtual no seu celular usa a tecnologia. Veículos autônomos também atualizados com inteligência artificial para navegar segurança o trânsito de rodovias e grandes cidades.

Tem se tornado também as migrações e ambientes de casas conectadas em que uma plataforma comum de IA é capaz de controlar a rotina de tarefas dentro da residência. Aplicativos de redes sociais que os efeitos em imagens e também suporta “diagnósticos a personalidade do usuário rodam com algum tipo de IA.

Seu televisor pode ter algum tipo de IA dedicado a “limpar” imagens e apresentar conteúdo em resolução mais baixa — como um vídeo caseiro de uns 15 atrás — com uma qualidade de imagem superior na tela 4K ou 8K. Placas de vídeo mais caras da Nvidia usam também tecnologia aparentemente para melhorar a imagem de jogos sem pesar tanto na performance. Já a câmera do seu celular pode escolher algum tipo de inteligência artificial sem suas fotos que você pode fazer, apenas usando meio de inteligência artificial.

Há exemplos de tecnologia de IA sendo aplicada em produtos de segurança digital e mesmo no exame de rotas, mapas e projetos de transporte público em grandes centros urbanos. O mercado financeiro aplica tecnologia do tipo para interpretar também a evolução do mercado, como uma forma de antecipar a movimentos que pode render lucros ou ganhos.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here