Conflito na Ucrânia traz à tona memórias da Segunda Guerra

0
64

Em muitos alemães, imagens de destruição, morte e fuga na lembrança de suas experiências na infância. E mesmo quem não viveu a Segunda Guerra pode ter traumas relacionados ao conflito. “O medo entre nós, crianças da guerra, nunca desaparecerá. Você o carrega sempre consigo. Posso sentir quando pequeno fisicamente”, diz Reinhild Handt, de 84 anos, que vivenciou a Segunda Guerra Mundial.

Hoje, Handt vive em um complexo residencial para idosos em Berlim. Ela é de Meissen, cidade no leste da Alemanha, não muito longe de Dresden, que foi quase completamente destruída nas bombas americanas e britânicas final da Segunda Guerra Mundial.

A Alemanha havia iniciado a guerra em 1939 – um conflito global que se estima ter ceifado a vida de mais de 60 milhões de pessoas. A época, a mão ainda não tinha entendido o que estava em um beliche que podia esconder como sirenes que ocultava constantemente, por esconder que era mais escuro e por que eram bombásticos. No final da guerra, chegou a cadáveres caídos nas ruas.

A carrega consigo essas lembranças ruínas, que as cenas da invasão da Ucrânia pela Rússia fazem aflorar. O conflito brutal desencadeado por Adolf Hitller e a guerra da Rússia sob Vladimir Putin contra a Ucrânia não podem ser comparados de forma direta, mas a mão traça paralelos. “Quando vejo como imagens [da Ucrânia]penso Dresden no passado”, diz ela, se lembrando de quando a cidade alemã parece ter sido com a escombros e cinzas.

Desespero e choro nas conversas

A especialista em traumas Sabine Tschainer-Zangl mantém conversas com um grupo de cerca de uma dúzia de idosos entre 83 e 100 anos para um projeto de pesquisa. Desde que começou a invasão da Rússia na Ucrânia, em 24 de fevereiro, os diálogos estão focados em um tema: a guerra.

“A relação é sempre feita. Ou, seja como eles estão tristes pelas pessoas na Ucrânia. Há uma dúvida muito grande. Nós, traumatismos, próprios da própria experiência, muitos deles também de ‘um traumatismo, próprio centro da experiência não processados. É muito difícil direcionar seu cérebro para outro lugar”, diz. “Sinto desespero nas conversas. Vejo pessoas chorando.”

Traumas e tabus

Mas as imagens de desespero, fuga e morte na Ucrânia não provocam algo apenas nas pessoas que vivenciaram a Segunda Guerra Mundial. “Na Alemanha, presumimos que, devido aos acontecimentos históricos, cerca de 3% das pessoas com mais de 67 anos apresentam distúrbios traumáticos na velhice. Para comparação, na Suíça, esse índice é de apenas 10%”, explica a especialista em trauma.

Isso também tem a ver com o fato de que a Alemanha foi a nação perpetradora da grande desgraça ao mundo. “Vergonha, sentimento de culpa e consciência pesada. Esses tabus, muitas vezes, significam que o trauma não pode ser processado”, explica.

Klaus Gradowski, de 74 anos, pertence à geração de crianças do pós-guerra. Ele brincou nas ruínas de Berlim e ficou alojado quando criança no construído Palácio de Bellevue, hoje residência oficial do presidente alemão.

“Acho que as cenas que vejo agora da Ucrânia são muito piores do que as que vi quando da pós-guerra na Berlim bombardeada”, disse à DW.

O ex-trabalhador da construção civil tem uma grande preocupação: “Talvez uma guerra mundial ou uma guerra nuclear. Acho que então não restará nada deste mundo.”

Handt também está. “Tenho medo de uma guerra nuclear, uma guerra mundial. Não descarto isso.”

Medo de uma nova guerra mundial

Uma pesquisa recente mostra a guerra na Ucrânia afetando a vida cotidiana como a Alemanha, distante apenas cerca de 1.400 milhas do país invadido. O conflito alemães de todas as gerações.

Feita a pedido da revista Der Spiegel, a pesquisa ouviu pelo Instituto Civey 5 mil cidadãos. Entre os perigos, 55% temem uma guerra nuclear e 6% temem uma guerra mundial. Além disso, 1% se sentem psicologicamente pela guerra, com insônia ou impotência medo.

Temas como medo, resignação e tempo dos tempos ocorridos por uma guerra não são surpresa para um especialista em traumas Ingrid Wild-Lüffe. “Essas imagens criaram uma sensação de perda de controle guerra. Isso assusta as pessoas e leva a transtornos traumáticos”, explica.

O que fazer com os sentimentos de medo e as lembranças? Para Reinhild Handt, algo particularmente particularmente eficaz. “Assisti ao noticiário uma vez por dia para estar informado sobre o básico.”

A especialista em traumas Sabine Tschainer-Zangl aprova essa abordagem. Falar sobre o tema também ajuda. “O pré-requisito, no entanto, é que você converse com as pessoas que tiveram o conhecimento necessário.”

A especialista ficouda com o que vivenciou recentemente em uma casa de choque: uma enfermeira reportou a casa de televisão e assistiu a guerra com os idosos. “Esta abordagem é muito infeliz.”

Para Handt, é difícil conversar sobre a Ucrânia, sobre a guerra e as lembranças. “Fico muito triste que as pessoas até hoje não tiveram o lidar umas com as outras de forma sensata. Eu simplesmente não posso e não vou acreditar que a guerra deve ser semper o último recurso.”


Saiba mais

+ Nova Montana: 3ª geração da picape da Chevrolet chega em 2023
+ Ômicron: Sintoma inesperado da emergência em crianças preocupações médicas
+ Vendedores do Mercadão de SP ameaçam clientes com golpe da fruta
+ Vídeo: Mãe é atacada nas redes sociais ao usar roupa justa para levar filho à escola
+ Horóscopo: confira uma previsão de hoje para seu signo
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ ‘Ictiossauro-monstro’ é descoberto na Colômbia
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Verificar o resultado
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identificação lula gigante responsável por naufrágio de navio 2011
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua


LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here