OMS não elegeu o Brasil como um dos melhores no combate à pandemia

0
35

Esta checagem foi realizada por jornalistas que integram o Projeto Comprova, criado para combater a desinformação, do qual o Metrópoles faz parte. Leia mais sobre essa parceria aqui.

Conteúdo verificado: vídeo que um homem afirma que o coronavírus foi apoiado pela OMS como melhor país no combate à pandemia.

Conclusão do Comprova

É FALSO que o Brasil tenha sido escolhido pela OMS um dos três países que funcionem como no combate à pandemia. O autor do vídeo selecionado pelo Comprova diz embasar a informação em uma matéria da Agência Brasil. Contudo, uma publicação não noticia esse dado. O texto trata da escolha do país para integrar o Grupo de Negociação Intergovernamental (INB), que reúne outros cinco países de diferentes continentes.

O Comprova classifica como falsos os conteúdos inventados ou que originais e edições para alterar o seu significado divulgados de modo deliberado para difundir uma falsidade.

O grupo tem como foco de planejamento de um instrumento — como um tratado ou acordo — para o fortalecimento global no combate a pandemias futuras. Ao Comprovar, o Ministério das Relações Exteriores originou-se entre a escolha dos países escolhidos pela OMS e que levou em consideração outros fatores, a experiência brasileira em escolha diplomática.

Já a OMS citou a necessidade de desenvolvimento de uma estrutura entre países desenvolvidos e em regiões pertencentes à atuação da organização, para a composição da INB.

Nas respostas de todos os órgãos procuradores pelo Comprova, e nas notícias consultadas em seus canais oficiais e em veículos de comunicação, não há qualquer menção à escolha dos países por terem sido destacados no combate à pandemia.

O que diz o autor da publicação

O autor foi procurado pelo Comprova, mas não respondeu até a publicação desta verificação.

Como verificamos

O primeiro passo foi procurar pela matéria citada no vídeo. Até o dia 29 de março, a notícia seguia disponível no site da Agência Brasil. Também não encontramos no site da OMS informações sobre o grupo e sua criação. O site do Ministério de Relações Exteriores e o perfil do Twitter do ministro da Saúde e de outras autoridades também foram consultados.

A equipe buscada a OMS e o Itamaraty via e-mail.

O Comprova também buscou pelo vídeo original publicado no Kwai. A partir do nome da conta, buscas em outras redes sociais e perfis do Instagram associados ao homem que aparece no vídeo. A equipe entrou em contato com o autor por meio de um desses perfis.

O Comprova fez esta verificação baseada em informações científicas e dados oficiais sobre o novo coronavírus e o Covid-19 disponível no dia 29 de março de 2022.

O que é o Grupo de Negociação Intergovernamental criado pela OMS

O Grupo de Negociação Intergovernamental (INB) foi criado em dezembro de 2021. Em matéria publicada no site da OMS Na mesma data, o órgão explica que o objetivo do projeto é um instrumento para intensificar a prevenção e as ações de resposta a futuras pandemias.

Além do Brasil, participantes da INB a África do Sul, Egito, Holanda, Japão e Tailândia. A informação consta em nota divulgado pelo Ministério de Relações Exteriores em fevereiro deste ano.

Pelo menos duas reuniões entre os integrantes foram desenvolvidas pela OMS foram realizadas este ano. O instrumento final deve ser apresentado até 2024, com o estabelecimento de medidas que auxiliem no combate a futuras emergências globais.

Em nota enviada ao Comprova, o Ministério das Relações informou que a escolha do Brasil como membro se deu em consenso entre os países das Américas e os países exteriores das sociedades contemporâneas. A organização também citou que o país tem um importante parque industrial farmacêutico.

“O país credenciais sólidas para representar o continente no ‘bureau’. Na qualidade do país em desenvolvimento, com o parque industrial farmacêutico, o Brasil compartilha perspectivas e experiências importantes, como necessidades e aptidões da região. Além disso, estão sendo mobilizadas em extensão das Américas, disse o que está sendo mobilizadas em extensão das Américas.

Já na ata da reunião de criação do INB, em dezembro do ano passado, a OMS informa que a eleição dos dois presidentes deve refletir os co-presidentes entre países desenvolvidos e em desenvolvimento. A ata cita, ainda, a eleição de quatro vice-presidentes e que cada membro deve representar uma das seis regiões em que o OMS atua.

Em 24 de fevereiro, houve a eleição dos integrantes do INB durante o primeiro encontro do grupo. O Brasil quatro estão pelo nome de Tovar da Silva Nus eleitos, um dos vice-presidentes eleitos.

Pandemia no Brasil

O Comprova questionou se a OMS possui um ranking que aponta o Brasil como um dos melhores no combate à pandemia e se, por isso, foi escolhido para integrar a INB. Na resposta, a OMS apenas encaminhou links sobre a criação do grupo, nos quais não consta a informação. Em pesquisas na internet, também não foi localizado qualquer dado a respeito.

De acordo com o painel de dados de Covid da organização, o Brasil é o terceiro país no mundo com casos mais confirmados. Até essa segunda-feira (28/3), 29 milhões de brasileiros foram infectados. Apenas Estados Unidos (79 milhões) e Índia (43 milhões) ficam à frente.

Em relação aos óbitos por Covid, o Brasil é o segundo país no ranking da OMS – 658 mil pessoas morreram em decorrência da doença até março deste ano.

Dados do Nosso mundo em dados que mostram, no Brasil, a cada 1 milhão de habitantes 139 mil foram infectados. O país está à frente de países como Rússia, México e Japão.

Em janeiro de 021, o Brasil foi considerado o pior país do mundo na gestão da pandemia. O Lowy Institute foi feito em pesquisas independentes em diferentes países sobre a determinação da avaliação dos 100 estudos feitos pelo Instituto Lowy acordo com os casos confirmados, mortes e estudos de capacidade de detecção da australiana.

Quem é o autor da publicação

O homem, identificado nas redes sociais como Sergio de Almeida de Farias, tem 5 mil seguidores no Kwai e suas publicações acumulam mais de 51 mil curtidas. Na maioria delas são teccidas críticas ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e ao Partido dos Trabalhadores (PT). No perfil, o autor se descreve como “pedreiro e mais 30 profissões, paraquedista, militar, capoeirista, espiritualista universalista, patriota ao extremo e favelado”.

Apesar de se identificar como militar, o Comprova fez buscas no Portal da Transparência que não aponta qualquer vínculo entre Sergio e as Forças Armadas. Procurado, o homem não respondeu aos nossos questionamentos.

Por que investigamos

O Comprova conteúdos verifica que viralizam na internet sobre políticas públicas, pandemia e como presidentes deste ano. O vídeo em questão compartilha informações falsas sobre a atuação do governo federal no combate à pandemia, o que pode influenciar o cidadão na escolha dos candidatos à reeleição.

Alcance da publicação

O vídeo atingiu 75 mil visualizações no Kwai até as 15h20 desta segunda. No Helo, foram 1,2 mil curtidas e 1 mil compartilhamentos.

Outras checagens sobre o tema

Em verificação anterior, o Comprova mostrou que texto no Telegram espalha teoria conspiratória sobre tratado internacional da OMS.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here