Troca na Petrobras deve alterar política de preços da estatal não, avaliam especialistas

0
48

As mudanças no comando da Petrobras, anunciados nesta segunda-feira (28) pelo Ministério de Minas e Energia, não devem provocar e nem nos preços significativos na política da empresa, segundo especialistas ouvidos pelo CNN Brasil Negócios.

O economista Adriano Pires foi apontado pelo governo federal para substituir o presidente atual da estatal, o general do Exército Joaquim Silva e Luna. Já Rodolfo Landim foi nomeado para o presidente do Conselho de Administração.

Para o economista-chefe da RPS Capital, Gabriel Barros, a troca em si não é o motivo de recebimento para o mercado. “A apreensão ocorre em relação às condições que o novo presidente irá trabalhar”, afirma.

A troca do petróleo da empresa ocorre em meio escalada do preço no mundo e, com dos comerciais da Petrobras no Brasil. O aumento dos preços e a disseminação inflacionária causada pelos materiais incomodado o Palácio do Planalto.

“O mercado político está preocupado se uma mudança será apenas uma sinalização de Bolsonaro para sua base, ou seja, uma mudança substancial, ou se, fato, deve haver uma mudança estrutural na estatal”, avalia Barros.

O economista-chefe do banco ModalMais, Álvaro Bandeira, também não diz grandes mudanças com a mudança de comando na estatal. “O problema dos preços de entrega de petróleo é um problema mundial, após a guerra, do fornecimento de energia, de óleo e da taxa cambial que afeta o Brasil”, diz.

Bandeira vê a alta rotatividade de presidentes como um fator negativo para uma empresa do porte da Petrobras. “Espera-se a diretoria, a presidência e os programas de prazo são designados de maneira correta”.

Esta é a segunda mudança no comando do cargo da estatal durante o governo de Bolsonaro. A primeira troca ocorreu em fevereiro do ano passado, quando o chefe do executivo dispensou o então presidente da estatal, Roberto Castello Branco em outro contexto de reajustes nos combustíveis.

Adriano Pires já foi superintendente geral e assessor de diretor-geral da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), professor da UFRJ e fundador do Centro Brasileiro de Infraestrutura (Cbie), que atua desde 2000 como diretor.

Já Landim é mais conhecido por comandar o Clube Regatas do Flamengo, porém, tem ampla experiência no setor de óleo e gás. Ocupou cargas de gestão na Petrobras por 26 anos, incluindo o presidente da Gaspetro e da BR Distribuidora

Sobre o novo indicado para assumir a carga, Bandeira destaca o perfil técnico de Pires para a estatal.

Para Gabriel Barros, tanto o nome de Pires quanto o de Landim são positivos “por se tratar de pessoas técnicas e especialistas no setor”.

Justamente por essas características, Barros observa “ambos possuem uma propriedade e isso é importante, pois minimizam o risco de que eles coloquem sua credibilidade no jogo para promover mudanças muito na companhia”.

Sobre a repercussão no mercado, os especialistas nestas-feira dizem que os investidores podem resistir9, terça por conta das incertezas que ainda devem continuar. Na avaliação de Barros, o mercado deve aguardar a “primeira fala pública”.

O preço dos preços 10 da Petrobras ocorreu no último dia de março, quando a estatal elevou o preço da gasolina em 18% e, do diesel, em 25% nas refinariasdepois de 57 dias sem mudanças.

Os nomes indicados nesta-feira apenas passarão a valer na próxima assembleia dos acionistas segunda3 de abril marcada para o dia 1.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here