Ataques russos transformam Mariupol em ‘cinzas’ enquanto Ocidente planeja mais sanções Por Reuters

0
41

2/2
© Reuters. Um militar ucraniano caminha, enquanto a invasão russa continua, em um vilarejo destruído na linha de frente na região leste de Kiev, Ucrânia, em 21 de março de 2022. REUTERS/Gleb Garanich

2/2

Por Natalia Zinets e Pavel Polityuk

LVIV/KYIV, Ucrânia (Reuters) – Intensos ataques aéreos russos estão transformando a sitiada Mariupol nas “cinzas de uma terra morta”, disse o conselho da cidade nesta terça-feira, enquanto os Estados Unidos e a Europa planejavam mais sanções para punir Moscou por sua invasão de Ucrânia.

Combates de rua e bombardeios ocorreram em Mariupol, disseram autoridades ucranianas, um dia depois que a Rússia rejeitou um ultimato da Rússia para se render. Acredita-se que centenas de milhares estejam presos dentro de prédios, sem acesso a comida, água, energia ou calor.

Forças russas e unidades separatistas apoiadas pela Rússia tomaram cerca de metade da cidade portuária, que normalmente abriga cerca de 400 mil pessoas, disse a agência de notícias russa RIA, citando um líder separatista.

Os combates de rua estavam ocorrendo na cidade, e tanto civis quanto tropas ucranianas estavam sob fogo russo, disse o governador regional Pavlo Kyrylenko.

“Não há mais nada lá”, disse o presidente ucraniano Volodymyr Zelenskiy em um discurso em vídeo ao parlamento da Itália.

O vice-prefeito de Mariupol, Sergei Orlov, disse à CNN que a cidade estava sob bloqueio total e não recebeu ajuda humanitária.

“A cidade está sob bombardeio contínuo, de 50 a 100 bombas que os aviões russos lançam todos os dias… Muita morte, muito choro, muitos crimes de guerra horríveis”, disse Orlov.

Mariupol tornou-se o foco da guerra que eclodiu em 24 de fevereiro, quando o presidente russo, Vladimir Putin, enviou suas tropas pela fronteira no que ele chama de “operação militar especial” para desmilitarizar a Ucrânia e substituir sua liderança pró-ocidente.

Encontra-se no Mar de Azov e sua captura permitiria à Rússia ligar áreas no leste ocupadas por separatistas pró-Rússia com a península da Crimeia, anexada por Moscou em 2014.

A incursão de 27 dias de Putin na Ucrânia forçou mais de 3,5 milhões a fugir, trouxe o isolamento sem precedentes da economia da Rússia e aumentou o medo de um conflito mais amplo no Ocidente, impensável por décadas.

As nações ocidentais planejam aumentar a pressão econômica sobre o Kremlin.

O presidente dos EUA, Joe Biden, se juntará aos aliados na aplicação de sanções adicionais e no reforço das já existentes durante sua viagem à Europa nesta semana, disse o conselheiro de segurança nacional Jake Sullivan nesta terça-feira.

A viagem também incluirá um anúncio sobre uma ação conjunta para aumentar a segurança energética na Europa, que é altamente dependente do gás russo, e Biden mostrará solidariedade ao vizinho da Ucrânia, a Polônia, com uma visita a Varsóvia.

Tendo falhado em tomar a capital Kiev ou qualquer outra grande cidade com uma ofensiva rápida, a Rússia está travando uma guerra de atrito que reduziu algumas áreas urbanas a escombros e provocou a preocupação ocidental de que o conflito poderia escalar, até mesmo para uma guerra nuclear.

A política de segurança da Rússia determina que o país só usaria essas armas se sua própria existência fosse ameaçada, disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, à CNN na terça-feira.

“Se é uma ameaça existencial para o nosso país, então (o arsenal nuclear) pode ser usado de acordo com o nosso conceito”, disse.

Mais cedo, ele disse que “ninguém” jamais pensou que a operação na Ucrânia levaria apenas alguns dias e que a campanha seria planejada, informou a agência de notícias TASS.

‘CATÁSTROFE HUMANITÁRIA’

O escritório de direitos humanos das Nações Unidas em Genebra disse na terça-feira que registrou 953 mortes de civis e 1.557 feridos desde a invasão. O Kremlin nega atacar civis.

Autoridades ocidentais disseram que as forças russas estavam paradas em Kiev, mas fazendo algum progresso no sul e no leste. Os combatentes ucranianos estão repelindo tropas russas em alguns lugares, mas não podem recuar, disseram eles.

Uma equipe da Reuters que chegou a uma parte russa de Mariupol no domingo descreveu um terreno baldio de blocos de apartamentos carbonizados e corpos envoltos em cobertores deitados à beira de uma estrada.

A Ucrânia diz que projéteis, bombas e mísseis russos atingiram um teatro, uma escola de arte e outros prédios públicos, enterrando centenas de mulheres e crianças abrigadas em porões.

A vice-primeira-ministra Iryna Vereshchuk, falando na televisão ucraniana na terça-feira, exigiu a abertura de um corredor humanitário para civis. Ela disse que pelo menos 100 mil pessoas queriam deixar Mariupol, mas não conseguiram.

Referindo-se à exigência anterior da Rússia de que a cidade se rendesse até o amanhecer de segunda-feira, Vereshchuk disse: “Nossos militares estão defendendo Mariupol heroicamente. Nós não aceitamos o ultimato. Eles ofereceram capitulação sob uma bandeira branca”.

Kiev acusou Moscou de deportar moradores de Mariupol e áreas separatistas da Ucrânia para a Rússia. Isso inclui a “transferência forçada” de 2.389 crianças para a Rússia das regiões de Luhansk e Donetsk, disse a procuradora-geral Iryna Venediktova.

Moscou nega forçar as pessoas a sair, dizendo que está recebendo refugiados.

Em Kherson, uma cidade sob controle russo, autoridades ucranianas disseram que as forças de Moscou estavam impedindo que suprimentos chegassem a civis.

“Os 300 mil cidadãos de Kherson enfrentam uma catástrofe humanitária devido ao bloqueio do exército russo”, disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Oleg Nikolenko, no Twitter (NYSE:).

A Rússia não comentou imediatamente a situação em Kherson.

Zelenskiy alertou que a crise na Ucrânia, um dos maiores exportadores de grãos do mundo, traria fome em outros lugares.

“Como podemos semear (colheitas) sob os ataques da artilharia russa?” ele disse aos legisladores italianos.

Em um discurso durante a noite, ele também chamou a atenção para a morte de Boris Romanchenko, 96, que sobreviveu a três campos de concentração nazistas durante a Segunda Guerra Mundial, mas foi morto quando seu bloco de apartamentos na sitiada Kharkiv foi bombardeado na semana passada.

Ao matar Romanchenko, “Putin conseguiu ‘realizar’ o que nem mesmo Hitler conseguiu”, disse o Ministério da Defesa da Ucrânia.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here