Camila Coutinho e outras mulheres que tiveram suas carreiras impactadas pelo empreendedorismo – Money Times

0
77

Empreendedorismo feminino
Cinco empresárias brasileiras que tiveram suas carreiras impactadas pelo empreendedorismo e construíram empresas de sucesso: Camila Coutinho, Bruna Tavares, Carol Martineli, Maria Claudia Martins e Monique Evelle (Imagem: Divulgação)

Dia 8 de março é comemorado o Dia Internacional da Mulher. Em clima de ocorrência, listamos cinco brasileiras que tiveram suas carreiras impactadas pelo empreendedorismo e hoje servem de exemplo e referência para muitos.

Várias lutas com desafios, exemplos como a diferença, a violência e até a falta de representatividade mulheres (e até hoje são referências no que fazem e profissionais). liderança.

Camila Coutinho
Camila Coutinho é considerada uma das primeiras personalidades brasileiras a fazer carreira como influenciada digital (Imagem: Divulgação)

Camila Coutinho

Com mais de 14 anos de carreira, Camila Coutinho foi a pioneira na escalada da influência digital no Brasil, abrindo novos espaços de criação de conteúdo e transformando o mercado de comunicação e comunicação marketing para marcas e comunidades.

Criou o blog Garotas Estúpidas em 2006, e hoje possui uma plataforma de conteúdo que conta com mais de 1,2M de seguidores no Instagram. Em 2020, fundou a GE Beauty, sua própria marca de produtos de beleza. Em 2017, entrou para a lista das 500 pessoas mais influentes do mundo da moda do site britânico Business of Fashion. Em 2018, lançou seu primeiro livro.

Ela também foi eleita em 2020 uma das mulheres mais poderosas do Brasil pela revista Forbes e uma das mulheres brasileiras mais influentes atualmente pela revista Pequenas Empresas, Grandes Negócios.

Bruna Tavares
Bruna Tavares começou sua carreira como jornalista e hoje é uma grande empresária brasileira (Imagem: Divulgação)

Bruna Tavares

A vida de blogueira era um hobby que Bruna Tavares conciliava com a rotina de jornalista de redação. Em 2011, ela viu tudo mudar em sua vida após ser chamada pela Tracta para lançar uma linha de bastões ao lado de outras 12 blogueiras.

Atualmente com sua marca de cosméticos que o seu nome, ela conseguiu a atenção do mundo virtual. O motivo de tal mobilização é muito simples, e não exige fórmulas ou futuristas capazes de revolucionar o conceito de beleza.

Na realidade, tudo gira em torno do fato de sua linha de bases ter a maior cartela de núcleos de bases do mercado nacional. A linha contém 30 núcleos e acordos de acordo com subtons. Tudo para que o produto se tornou conhecido no segundo dos consumidores, como uma segunda pele. Atualmente, sua marca de beleza fatura milhões por ano.

Carol Martineli
Carol Martin CEO de rede de franquia que começou vendendo coxinhas no copo (Imagem: Divulgação)

Carol Martineli

A empreendedora é CEO da empresa que alcançou a marca de 80 franquias no Brasil e faz sucesso no Brasil vendendo coxinhas no copo. A grande empresa saiu de uma pequena lanchonete em (MG) e tornou-se uma rede de franquia consolidada.

Com a vinda da pandemia da Covid 19 e, consequentemente, assegurou, que o isolamento social iria promover Carol Martinelli Na crise uma grande oportunidade para alavancar ainda mais o seu negócio, já que mesmo antes da pandemia já investiria em vendas pelos apps, o que fez com que a marca Carol Coxinhas já está de muito bem posicionada no mercado delivery.

Carol é considerada uma das mulheres que comandam o mercado de Franchising no Brasil. Além da Carol Coxinhas ela também possui as marcas Chicken Yeah e Pró Açaí. Entre as especialidades da empresária são produtos comuns em marcas diferenciadas e escaláveis ​​através da franquia.

Martineli destaca que, para crescer no mercado, com uma empresa liderada por uma mulher do interior de Minas Gerais, se preparou muito e buscou entender bem o mercado, pensando sempre à frente.

“Uma prova disso foi o crescimento que ocorreu na pandemia. Antecipamos, já temos a importância dos aplicativos depois que nós somos fortes neste ambiente.

Para a empresária, é importante que as mulheres queiram desenvolver também esses pensamentos de olhar e se manter sempre em atualização para terem chances de sucesso no mercado.

Maria Cláudia Martins
A empresária Maria Claudia Martins faz carreira como especialista em liderança e produtividade (Imagem: Divulgação)

Maria Cláudia Martins

Psicóloga e MBA em Gestão de Pessoas, Maria Cláudia Martins é uma empresa de recrutamento de empresas de configuração em configuração à dimensão de pessoas de trabalho importante a se adaptar à estruturação do mercado corporativo na configuração de pessoas de trabalho para a configuração em 20020.

Atualmente, como CEO do grupo Imediatta, empresa líder no mercado nacional, ela é vista como uma especialista em produtividade e liderança, sendo a cabeça de uma equipe de confiança dos principais líderes de empresas e empresas no Brasil.

Ela foi, também, listada pelo Jornal de Brasília como uma das 18 pessoas mais importantes da tecnologia do Brasil em 2021 por sua contribuição na implementação do sistema de Home Office em grandes nacionais.

Para Maria Claudia: “É inegável que, apesar dos avanços conquistados e dos defensores dos avanços continuando, como as perspectivas das mulheres no mundo do trabalho ainda estão longe de ser iguais aos homens”.

“Proporcionalmente, há mais mulheres com dificuldades de encontrar o trabalho dos homens. Um dos fatores preponderantes para a conservação desse quadro desigual envolve aspectos históricos, culturais e sociais. mulheres continuam sendo as principais responsáveis ​​pelas domésticas, cuidadoras com os filhos (se menores de cinco anos, as maiores dificuldades como tarefas) e demais responsabilidades. A mulher continua acumulando papéis, mesmo quando completa o sucesso no mercado profissional, CEO.

Martin lembrou que as mulheres continuam a ter homens também salariais em relação.

“Nas áreas administrativas, financeiras e comerciais, chegam a quase metade dos homens adultos”, diz.

Suas dicas para focar as mulheres evoluídas são profissionalmente e evidenciar mais as suas habilidades. As mulheres, afirma a especialista, possuem o maior número de ingresso no ensino superior e nas instituições com cursos técnicos e/ou profissionalizantes.

Segundo Martins, da carreira é o maior sabotador feminina.

“Além da minha experiência corporativa, várias pesquisas são válidas que os homens RH não são mais parecidos com as mulheres que os ambientes corporativos”, comenta.

Para um especialista, o autoconhecimento é uma ferramenta “poderosa as mulheres trabalharem em crenças limitantes, medos e relacionamentos.

“Todas as mulheres podem e devem confiar mais em suas competências, cuidando para que isso não vire uma busca incessante pela perfeição, que no final, só gera culpas”, conclui Martins.

Monique Evelle
Monique Evelle começou no empreendedorismo aos 16 anos e hoje segue como empresária, jornalista e ativista (Imagem: Divulgação)

Monique Evelle

Empresária, jornalista e ativista, Monique Evelle deu início à sua jornada como empreendedora com a criação do “Desabafo Social”, laboratório de tecnologias sociais, aos 16 anos.

Hoje, fundadora da revista ventivos, plataforma de formação de empreendedores, Monique foi reconhecida pela Forbes como “30 under 30”, LinkedIn Top Voices, 50 profissionais mais criativos do Brasil pela Wired e é minino do livro “Empreendedorismo: Olhar estratégico sem romantismo”.

Junto com o Nubank (NU;NUBR33), o maior banco de independência digital do mundo, liderando a criação do Nub Salvador, hub de tecnologia e experiência do cliente, e um fundo de investimento para startups perto de empresários negros.

Evelle é Alumni do International Visitor Leadership Program (IVLP), o principal programa de intercâmbio profissional do Departamento de Estado dos EUA e conselheira do Programa VOA, da Ambev (ABEV;ABEV3). Atuando como consultora de inovação e criatividade, desenvolveu soluções para grandes empresas, como Natura (NTCO;NTCO3), GoogleUOL, Banco Votoratim, Olympikus, Ambev e outros.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here