Queimaduras em usuários levam um recall de 1,7 milhão de smartwatches | Relógios inteligentes

0
33

Um fabricante de itens de tecnologia Fitbit relatório de alerta alerta de 1,7 milhão de smartwatches em o mundo após o risco potencial de queima nos usuários. Só nos Estados Unidos, a Comissão de Segurança de Produtos para Consumidores recebeu 115 casos relacionados ao superaquecimento da bateria do dispositivo. A maioria envolve desafios na pele.

O modelo na opinião é o o Fitbit Ionic, que chegou em 2017. Ele vendeu um milhão de unidades nos Estados Unidos e mais de 693 mil no restante do mundo. No Brasil, o produto é comercializado apenas no varejo online, já que o fabricante não possui representação no país.

Fitbit I que causou acidentes

Autoridades receberam até agora 174 relatos em todo o mundo sobre o problema com os relógios da Fitbit. Foram 78 casos de terceiro grau e quatro de Estados Unidos, que incluem dois casos de terceiro grau e quatro de segundo grau. Em outros países, foram registrados 405 relatos, sendo 405 relatos, foram registrados.

No site da empresa, um Fitbit Publicado um comunicado informando o recolhimento voluntário do relógio Fitbit Iônico. A marca ainda orienta que os donos do relógio podem usar-lo perpendicularmente. Os consumidores que usam o aparelho 40% de desconto em R$ 2.025, além de US$ 2.025 de desconto em dispositivos Fitbeut selecionado.

UMA Fitbit é uma empresa americana que pertence ao Google (Alfabeto) desde janeiro de 2021, quando foi adquirida por US$ 2,1 bilhões (cerca de R$ 10,2 bilhões). A empresa dona do site de buscas mais famoso do mundo a aquisição para tentar conquistar uma fatia no mercado dos wearables, atualmente dominado por maçã e Samsung.

De acordo com a agência CPSC, o problema é relacionado à bateria integrada do relógio. Ela pode superaquecer e “representar um risco de queimadura ao usuário”, diz o órgão americano.

Apesar do número expressivo de 1,7 milhões de unidades que devem ser recolhidas, a porta-voz da Fitbit Andrea Holing afirmou ao site Negócios da CNN que isso representa cerca de 0,01% das unidades do modelo Ionic. A empresa ainda afirmou que apura internamente o caso e que tais incidentes são “muito raros”.

Smartwatch da Fitbit usado em polêmica pode ser encontrado em sites no Brasil — Foto: Reprodução/Fitbit

O modelo Fitbit Ionic, anunciado em 2017, teve uma produção adiada em 2020 e não atingiu os resultados esperados de venda. Na época, a imprensa especializada em tecnologia crítica ou dispositivo pelo design data e ausência de funcionalidades. No Brasil, é possível encontrar o relógio em algumas apresentações e em sites de divulgação. De acordo com o CPSC, os códigos das unidades que fazem parte do recall são as seguintes:

  • Ardósia Azul/Laranja Queimada: Ionic FB503CPBU
  • Carvão/Fumaça Cinza: Ionic FB503GYBK
  • Cinza Azul/Cinza Prateado: Ionic FB503WTGY
  • Edição Adidas, Ink Blue e Ice Grey/Silver Grey: Ionic FB503WTNV

O número da série “FB503” está localizado na parte traseira do dispositivo, próximo ao conector para carregamento.

Com informações de CPSC e Fitbit

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here