os setores que mais ganharam e vão guerra na bolsa brasileira com a Veja

0
73

Como ações da bolsa de valores brasileira às commodities registraram as maiores ligadas desde o início do conflito na Ucrâniaenquanto setores ligados e veículos foram os que mais a transportar.

Segundo levantamento da consultoria Economática, feito a pedido do CNN Brasil Negócios, as maiores foram dos setores de siderurgia e metalurgia (11,4%), químicos (9,97%), agropecuária (9,9%), mineração (7,08%) e petróleo, gás e biocombustíveis (6,03%) %).

Já as maiores quedas foram em transporte (-4,33%), automóveis e motocicletas (-4,29%), holdings diversificadas (-4,22%) e construção civil (-3,65%).

O levantamento levou em conta a das ações por setor entre os dias23 de fevereiro, véspera da invasão russaaté o dia 2 de março, sétimo dia de conflito.

Foi tomada como referência a ação mais líquida da empresa nos últimos 30 dias, no caso de mais de um tipo, com volume médio de negociação de R$ 5 milhões por dia no período.

Trajetória beneficiada

Lucas Collazo, especialista em investimentos da Rico, afirma que as ações ligadas a Rico commoditiesem especial petróleo, minerais e agrícolas, são os mais sobem, beneficiados pela alta nos preços desses produtos com a guerra.

“A Rússia e a Ucrânia são produtoras e exportadoras relevantes de boa parte dessas commodities, soja do milho, soja, caso, alumínio. Em conflito, como transportadoras e período com guerra não fazem transporte, ainda mais expandindo para todo o ucraniano”,.

Com preços acessíveis e demanda se manter, os preços se elevam. O petróleo Brent, por exemplo, já passou do tipo da casa dos US$1110. investimentos.

O benefício é ainda maior para o Brasil, um dos maiores produtores de commodities do mundo.

O estrategista-chefe da XP, Fernando Ferreira, cita os Bancos, com um benefício mais indireto do conflito. O setor, com forte presença na bolsa, tem sido favorecido pelo fluxo de investimentos estrangeiros. Com as diversas feito contra a Rússiao país tem investimentos perdidos em um momento de migração e ativos para mercados ligados a commodities desconectados.

O Brasil se tornou um destino atraente para esse tipo de investimento, com um fluxo que começou antes da guerra e se beneficiou de setores de commodities e bancos. A perspectiva, segundo os especialistas, é favorável à medida que deve ganhar força com os recursos que saem da Rússia.

Para Collazo, esse fluxo favorável tende a beneficiário a bolsa brasileira como um todo, com investimentos e fundos ETFs que investem em toda a cesta de ações. Mas os principais ganhos devem ficar, segundo ele, com as empresas ligadas às commodities.

Teste seus conhecimentos sobre o Ibovespa

Vamos começar com uma fácil: o que é o Ibovespa?

Quem é responsável pelo cálculo do Ibovespa?

Quais tipos de ativos são para entrar no Ibo Quais de tipos são selecionados para entrar?

Qual NÃO estes é um critério para que uma ação entre no Ibovespa

Quantas ações estão, hoje, na carteira teórica do Ibovespa?

Com qual frequência a carteira teórica do Ibovespa é revisada?

Qual a ação de maior peso no Ibovespa?

Qual a ação de menor peso no Ibovespa?

Cada ponto do Ibovespa equivale a 1 real. Esta declaração é

Qual o registro histórico de fechamento do Ibovespa?

Tente outra vez!

Dica sobre o assunto do CNN Business para entender mais

Mandou bem!

Você sabe bastante sobre o Ibovespa, mas pode conhecer um pouco mais

Sensacional!

Parabéns! Você é um especialista no Ibovespa

Trajetória prejudicada

Collazo, da Rico, aponta os setores mais prejudicados na bolsa que têm como base as commodities relevantes para a estrutura de custos. É o caso dos frigorificosque usam milho e soja como componentes de ração animal, ou empresas de transportarque depende do preço dos combustíveis.

Se os valores dessas commodities sobem, como margens de lucro ficam menores, e os papéis, menos atrativos.

“Boa parte dos setores no Brasil é impactado de forma negativa porque nossa transportadora e fluvial é pequena. O transporte é via rodoviária, e a gasolina é um componente importante para questões de logística”, diz.

Já Ferreira, da XP, diz que os setores que mais estão presentes o momento são aqueles que sofreram consequências indiretas da guerra. É de exportador e setores industriais no exterior e proteção pelo exterior pela incerteza do comércio no mercado global e industrializado real fortalecido graças à entrada de capital ligado a mercadorias.

Ele também aponta o segmento de companhias aéreasque tende a recuperar devido ao dano nas margens de lucro pelo preço dos combustíveis, decorrência da alta do petróleo.

O estrategista da XP avalia que os setores mais ligados à tecnologia já viagem com a saída de investimentos em meio às mudanças políticas monetárias em todo o mundoe isso continua com a guerra, que reforça apostas em altas de juros.

Mesmo assim, ele que as empresas são menores por porque as empresas têm pouca exposição aqui ao leste europeu e na Rússia. “Os frigoríficos um pouco mais e muito pouco têm agora, mas disponíveis”, avalia.

Caso a guerra se estenda por muito tempo, Ferreira afirma que setores ligados ao consumo doméstico, em especial o varejo, devem ser acessíveis. Isso devido à espera de imposto Mais alta pelas commodities e juros maiores, que são a atividade econômica e econômica.

Em relatório, o BTG Pactual aponta o segmento com mais exposição à Rússia é o de bens de capital, com empresas como Nós g, Randon e Iochpe, mas mesmo assim com as fatias de pequeno comércio. Em 2021, por exemplo, as vendas da região representam 0,3% do lucro da Weg, e 0,3% das vendas totais da Randon.

Dentre os impactos indiretos, o banco cita o encarecimento dos primeiros, que pode prejudicar indústriaassim como os efeitos da alta de combustíveis para o setor de logística.

Em outros Estados Unidos, devido à resistência e à Rússia, devido à alta resistência comercial da Rússia e aos analistas do mercado da Rússia, devido à alta resistência e à demanda na baixa China.

Assim, há riscos de margens mais pressionados pela alta de trigo e milho, o que também pode M. Dias Brancodona de marcas de biscoitos e massas como Adria e Piraquê, que segundo o relatório tem 48% de custos ligados ao trigo e 16% a óleos vegetais.

Outra empresa que pode ser decidida é a Ambevdevido ao uso da cevada —que sobe puxada por outras commodities agrícolas— para produção de cerveja.

Ferreira afirma que é “sempre melhor fazer uma distinção entre setor e empresa, cada questão específica, como política de preço, provisão regional”.

Ele cita como exemplo a Petrobrásque tem políticas de vida atuais mesmo com o petróleo em alta devido à dúvida do mercado sobre o respeito à defasagem de preços e à defasagem nos preços dos comerciável e do petróleo.

“Outras petroleiras não têm essa dúvida porque nem refinam, só vendem petróleo bruto”, diz. Mesmo assim, ele considera que, no momento, “o mercado está focado no macro, e isso acaba sendo predominante”.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here