Tribunal de Tóquio decidirá se deputado ajudou ex-chefe da Nissan Ghosn a esconder US$ 80 milhões Por Reuters

0
44

2/2
© Reuters. FOTO DE ARQUIVO: Greg Kelly, ex-diretor representante da Nissan Motor Co., chega para a primeira audiência de julgamento no Tribunal Distrital de Tóquio em Tóquio, Japão, 15 de setembro de 2020. Kiyoshi Ota/Pool via REUTERS

2/2

Por Tim Kelly

TÓQUIO (Reuters) – Um tribunal japonês dará nesta quinta-feira seu veredicto sobre o ex-diretor da Nissan (OTC:) Motor Greg Kelly, acusado de ajudar o presidente deposto da montadora, Carlos Ghosn, a esconder 80 milhões de dólares em receita de reguladores financeiros.

O julgamento, que ocorre após um julgamento de 18 meses e mais de três anos desde a prisão de Kelly ao lado de Ghosn, pode ser o mais próximo que um tribunal japonês chega de decidir sobre a culpabilidade do ex-presidente da Nissan em supostos crimes financeiros.

Kelly ocupou o centro do palco no Tribunal Distrital de Tóquio porque Ghosn está fora do alcance dos promotores japoneses depois de fugir para o Líbano em 2019 escondido em uma caixa em um jato particular.

Kelly presenciou meses de depoimentos de ex-colegas da Nissan, incluindo o ex-CEO Hiroto Saikawa e o executivo sênior de assuntos jurídicos Hari Nada, com promotores enviando e-mails e pilhas de documentos que dizem mostrar que Kelly inventou ilegalmente maneiras de adiar pagamentos a seu chefe.

As acusações surgem de uma mudança na regulamentação financeira em 2010 que exigia que executivos que ganhassem mais de 1 bilhão de ienes (US$ 8,71 milhões) divulgassem seus salários.

Kelly negou infringir a lei e testemunhou que sua única intenção era dar a Ghosn, que também era o executivo-chefe da Renault (PA:), um pacote de compensação que o dissuadiria de desertar para uma montadora rival.

Tanto Kelly quanto Ghosn também alegam que são vítimas de um golpe da diretoria por ex-colegas preocupados com o fato de Ghosn querer fundir a Nissan com a parceira da aliança e maior acionista Renault SA (OTC:).

A empresa Nissan, acusada ao lado de Kelly e Ghosn, se declarou culpada no início do julgamento por permitir que Ghosn ocultasse ganhos das autoridades japonesas. Aguarda decisão judicial. Os promotores estão buscando uma multa de 200 milhões de ienes (US$ 1,74 milhão) para a montadora.

ASSISTINDO

Libertado no dia de Natal de 2018 após um mês de prisão, Kelly teve que permanecer no Japão sob as condições estabelecidas em sua fiança de US$ 600.000. Sua esposa Dee se juntou a ele e participou da maioria das sessões do tribunal

O caso cativou um país espantado com a transformação de Ghosn de executivo automobilístico festejado em fugitivo internacional. Também está sendo observado de perto pelo novo embaixador dos EUA no Japão, Rahm Emanuel, em meio à preocupação com o tratamento do americano por um sistema de justiça que alguns observadores ocidentais consideram excessivamente severo.

Suspeitos no Japão não podem ter um advogado presente durante os interrogatórios e podem ser detidos por até três semanas sem acusação. E 99% dos casos que vão a julgamento terminam com condenação.

“O senhor Kelly é um cidadão dos Estados Unidos e isso vem com a obrigação, como embaixador dos Estados Unidos, de advogar em seu nome”, disse Emanuel durante uma coletiva de imprensa em Tóquio na semana passada.

O ex-prefeito de Chicago e ex-chefe de gabinete do presidente dos EUA, Barack Obama, disse que ligou para Kelly e sua esposa logo após chegar ao Japão em janeiro.

Os promotores pediram aos três juízes para condenar Kelly e mandá-lo para a prisão por dois anos. Isso faria dele o terceiro americano ligado a Ghosn a ser preso.

Um tribunal japonês condenou em julho o veterano das Forças Especiais do Exército dos EUA Michael Taylor a dois anos de prisão e seu filho Peter a um ano e oito meses por sua participação em ajudá-lo a escapar do Japão.

Por enquanto, Ghosn, outrora itinerante, está preso no Líbano, incapaz de viajar para o exterior sem correr o risco de ser preso e retornar ao Japão.

Além da acusação de ocultar US$ 80 milhões de ganhos ao longo de oito anos, Ghosn também é acusado de enriquecer às custas de seu empregador por meio de pagamentos de US$ 5 milhões a uma concessionária de carros no Oriente Médio e por transferir temporariamente perdas de investimentos pessoais para os livros de seu ex-empregador. .

Ghosn negou todas as acusações contra ele.

Isenção de responsabilidade: Mídia de fusão gostaria de lembrá-lo que os dados contidos neste site não são necessariamente em tempo real nem precisos. Todos os CFDs (ações, índices, futuros) e preços de Forex não são fornecidos por bolsas, mas sim por formadores de mercado e, portanto, os preços podem não ser precisos e podem diferir do preço real de mercado, o que significa que os preços são indicativos e não apropriados para fins comerciais. Portanto, a Fusion Media não se responsabiliza por quaisquer perdas comerciais que você possa incorrer como resultado do uso desses dados.

Mídia de fusão ou qualquer pessoa envolvida com a Fusion Media não aceitará qualquer responsabilidade por perdas ou danos resultantes da confiança nas informações, incluindo dados, cotações, gráficos e sinais de compra/venda contidos neste site. Esteja totalmente informado sobre os riscos e custos associados à negociação nos mercados financeiros, é uma das formas de investimento mais arriscadas possíveis.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here