Co-movimentos do mercado de ações chinês e mundial: duas descobertas

0
48

A emergência da China como economia global no cenário mundial é talvez a maior história econômica dos últimos 30 anos. Durante as últimas décadas, a indústria da China se modernizou, muitas de suas empresas de tecnologia estrearam nas bolsas de valores chinesas por meio de ofertas públicas iniciais (IPOs) e os mercados e bolsas do país se abriram até certo ponto para investidores estrangeiros.

A China tornou-se cada vez mais integrada à economia mundial. No entanto, apesar dessa tendência, os mercados de ações da China ainda se movem de maneira idiossincrática em relação a outras bolsas mundiais. Devido a restrições de venda a descoberto, entre outras características, as bolsas da China às vezes têm sido propensas a uma volatilidade adicional, com bolhas e estouros notáveis ​​ocorrendo no Shanghai Composite Index em 2007 e 2015.

Como, então, os co-movimentos das bolsas de valores da China se desenvolveram nos últimos 25 anos, à medida que a nação se tornou uma presença maior nos mercados globais?

Botão de inscrição

Para responder a essa pergunta, examinamos como as correlações entre as duas principais bolsas chinesas – o Shanghai Composite Index e o Hang Seng – e suas contrapartes em todo o mundo evoluíram. Em seguida, dividimos os períodos de tempo em três categorias – 1997 a 2004, 2005 a 2014 e 2015 até o presente – para ver que tipo de padrão surgiu ao longo do tempo.

Isolamos duas descobertas principais.

Primeiro, o Shanghai Composite tornou-se muito mais altamente correlacionado com o S&P 500 no último quarto de século. Entre 1997 e 2004, teve uma correlação de 0,08. Em nossa amostra mais recente, o coeficiente de correlação subiu para 0,47 e representa a maior mudança no co-movimento em todo o período de estudo.


Correlações: Composto de Xangai para S&P 500

agosto de 1997 a dezembro de 2004 0,08
Janeiro de 2005 a dezembro de 2014 0,35
Janeiro de 2015 até o presente 0,47

O salto monumental nos co-movimentos do Shanghai Composite não está isolado no S&P 500. Os coeficientes de correlação de quase todas as bolsas ao redor do mundo, mesmo o índice de tecnologia XLK US, saltaram com o Shanghai Composite entre 1997 e o presente. A única exceção? MOEX da Rússia.

A questão é por quê. O que explica as correlações crescentes?


Correlações: Shanghai Composite e Hang Seng vs. Global Exchanges
agosto de 1997 a dezembro de 2004

S&P
500
Nikkei Mumbai FTSE CAC
40
DAX MOEX TSX ASX
200
XLK
Xangai
Comp.
0,08 0,14 0,16 -0,09 0,02 0,08 0,26 0,13 -0,06 0,08
Hang Seng 0,59 0,41 0,28 0,63 0,50 0,50 0,49 0,64 0,58 0,66

Janeiro de 2005 a dezembro de 2014

S&P
500
Nikkei Mumbai FTSE CAC
40
DAX MOEX TSX ASX
200
XLK
Xangai
Comp.
0,35 0,31 0,38 0,31 0,31 0,34 0,33 0,38 0,41 0,37
Hang Seng 0,72 0,59 0,76 0,72 0,66 0,68 0,66 0,70 0,73 0,67

Janeiro de 2015 até o presente

S&P
500
Nikkei Mumbai FTSE CAC
40
DAX MOEX TSX ASX
200
XLK
Xangai
Comp.
0,47 0,47 0,32 0,33 0,36 0,42 0,18 0,38 0,32 0,44
Hang Seng 0,61 0,54 0,51 0,51 0,51 0,49 0,39 0,29 0,41 0,55

Acreditamos que isso se deve a dois fatores ou uma combinação deles: a abertura dos mercados da China para o resto do mundo e a crescente presença de ações bancárias e de tecnologia no Shanghai Composite.


Correlações de todos os tempos: Shanghai Composite, Hang Seng e Índices Globais

S&P
500
Nikkei Mumbai FTSE CAC
40
DAX MOEX TSX ASX
200
XLK
Xangai
Comp.
0,28 0,30 0,30 0,25 0,21 0,25 0,25 0,29 0,26 0,25
Hang Seng 0,63 0,50 0,51 0,64 0,55 0,56 0,50 0,64 0,58 0,61

Nossa segunda conclusão crítica é que a crescente correlação do Shanghai Composite com os mercados mundiais não se reflete no Hang Seng. Índices globais historicamente tiveram maior correlação com o Hang Seng, mas o co-movimento entre ele e outras bolsas não aumentou tanto no último quarto de século. O S&P 500 teve um coeficiente de correlação de 0,59 com o Hang Seng de 1997 a 2004. Isso mal mudou. Desde 2015, ficou em 0,60.

Tile para os mercados de capitais emergentes da Ásia-Pacífico

Ao todo, o surgimento da China no cenário mundial mudou as correlações em seus mercados de ações. O Shanghai Composite está agora muito mais correlacionado com os mercados globais, tendo quase dobrado seu coeficiente de correlação em apenas 10 anos.

Nenhuma tendência semelhante surgiu no Hang Seng, no entanto. Sua correlação com a maioria das bolsas mundiais quase não mudou nos últimos 25 anos.

Se essas tendências de correlação continuarão em uma era de crescente competição geopolítica será algo a ser observado nos próximos meses e anos.

Se você gostou deste post, não se esqueça de se inscrever no Investidor Empreendedor.

Todos os posts são da opinião do autor. Como tal, eles não devem ser interpretados como conselhos de investimento, nem as opiniões expressas refletem necessariamente as opiniões do CFA Institute ou do empregador do autor.

Crédito da imagem: ©Getty Images/Johannes Mann


Aprendizagem profissional para membros do CFA Institute

Os membros do CFA Institute têm o poder de autodeterminar e relatar os créditos de aprendizado profissional (PL) obtidos, incluindo conteúdo sobre Investidor Empreendedor. Os membros podem registrar créditos facilmente usando seus rastreador PL online.Compartilhar no

Derek Horstmeyer

Derek Horstmeyer é professor da George Mason University School of Business, especializado em fundos negociados em bolsa (ETF) e desempenho de fundos mútuos. Atualmente, ele atua como Diretor do novo curso de Planejamento Financeiro e Gestão de Patrimônio da George Mason e fundou o primeiro fundo de investimento administrado por estudantes na GMU.

Juhee Hong

Juhee Hong é graduada na George Mason University, cursando seu bacharelado em economia com especialização em finanças. Ela está interessada em desenvolvimento econômico internacional e mercados financeiros. Na Mason, ela está trabalhando como assistente de ensino para o curso de gestão financeira e está ansiosa para usar suas habilidades e conhecimentos no setor financeiro após a graduação.

Anh Minh Luu

AnhMinh Luu é um júnior na George Mason University e estuda sistemas de informações contábeis e gerenciais (MIS). Na Mason, atua como professor assistente da FNAN 303 – Gestão Financeira. Fora da Mason, ele trabalha como estagiário de finanças e contabilidade na Chief Executives Organization. Após sua formatura, Luu espera obter sua licença CPA e trabalhar como analista financeiro ou gerente de contabilidade.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here