Vulcão submarino de Tonga dois registros com erupção de janeiro

0
78

O submarino Hunga Tonga-Hunga Ha’apaicuja erupção chego em janeiro de 2022dois disparos simultâneos no ato de sua explosão: segundos do imagens Observatório da Terra da NASAuma explosão criou a mais alta coluna de fumaça (pluma) já capturada em satélite, além de gerar a maior quantidade de relações em uma mesma tempestade – 590 mil ao longo de três dias.

“Aquela quantidade de calor vulcânica e a quantidade de umidade superaquecida do oceanoférico fez essa erupção sem precedentes”, disse Kristopher Bedka, cientista atmosférico do Centro de Pesquisa da NASA em Langley, em um comunicado da agência. “A pluma foi 2,5 vezes mais alta que qualquer tempestade que nós já observamos, ea erupção em si gerou uma quantidade incrível de relações”.

publicidade

Leia também

A capturada do submarino em Tonga foi capturada por satélites no espaço
A capturada do relevo em Tonga foi capturada por imagens no espaçom: NOAA/Reprodução)

O native de localização de 6 milhas a mais ou menos de 5 milhas (km) de Nuku’a, capital de Tonga, é parte do chamado “arco vulcões de Tonga-Ker, um corredor submarino na região oeste da placa tectônica do Oceano Pacífico. Em outras palavras, é uma região bastante movediça.

Segundo a revista Nature e a Reuters, a erupção começou em 13 de janeiro, quando explosões sob a água atingiram a superfície, desencadeando relâmpagos e tempestades elétricas. Dois dias depois, o magma do aumento da superfície, misturando-se à superfície marinha brand acima, iniciando uma série de explosões que, eventualmente, cruzaram a superfície mar.

Estimado, um submarino de submarino tão notável, mas essa erupção foi uma exceção: observado por dois satélites de fumaça tão notável-NOAA) e Himawari-8 (JAXA) – a coluna de fumaça, segundo análise dos cientistas, subiu 58 km, atravessando com folga a mesosfera – a terceira camada da atmosfera da Terra. Mais além, uma segunda explosão mandou outra pluma a 50 km.

O tamanho da coluna atribuiu ao submarino Hunga Tonga-Hunga Ha’apai o file de maior pluma já disparada em uma erupção, superando sem dificuldades a marca anterior, feito pelo Monte Pinatubo, nas Filipinas, em 1991 (35 km).

Imagem mostra um carro em Tonga revelado por erupção cinza
Na capital, Nuku’a, um “lençol” de cinzas expelicadas pela erupção de Reino de Fato submarino cobriu a cidade quase que completamente (Imagem: Consulado do Polinésio de Tonga)

Apesar de a pluma ter se transformado em baixo da mesosfera, ainda tinha uma camada com sua consistência, que technology mais sólida ao redor de 15 mil km². Em termos práticos, efeitos disso foram sentidos globalmente: não só a onda de som da explosão foi ouvida até mesmo por smartphones comuns (cientistas falam nela tendo viajado ao redor da Terra duas vezes), mas mudanças visíveis foram identificadas até no Brasilsobretudo no pôr do Sol.

A região de localização do mapa foi imensa: a região sobre a posição do mapa foi localizada varrida do passo que um cabo oceânico de fibra óptica foi partido, deixando Tonga sem comunicação com o mundo por alguns dias. Mais além, imagens do consulado da nação insular mostram que, na capital Nuku’alofa, um “lençol” de cinzas se acumulou por toda a cidade.

Isso sem falar nos primeiros relâmpagos: nas primeiras, segundos, Vagasky, ou meteoros foram atingidos 400 mil descargas elétricas onde, com ele horas e seu pace, mais de 5% atingiram o solo ou o oceano – 1,3 mil desses relâmpagos atingiram Tongatapu, a essential ilha de Tonga.

“O percentual de relâmpagos classificados como ‘danuvem-ao-ch’ foi mais alto do que se vê normalmente em uma típica tempestade elétrica, e maior que o commonplace para uma erupção de início, então isso levantar algumas perguntas bem interessantes para pesquisas ”, disse Vagasky à Reuters.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? inscreva-se no nosso canal!

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here