Rio de Janeiro – A Justiça confirmou a prisão dos três agressores do congolês Moïse Mugenyi Kabagambe, que morreu espancado no dia 24/1 em um quiosque na Barra da Tijuca. Em audiência de custódia, os magistrados mantiveram as prisões temporárias de 30 dias para Fábio Pirineus da Silva, o “Belo”, Aleson Cristiano de Oliveira Fonseca, o “Dezenove”, e Brendon Alexander Luz da Silva, o “Totta”.

As audiências foram individualizadas e realizadas em salas separadas na Central de Audiência de Custódia (Ceac) de Benfica, que funciona no Presídio José Frederico Marques. Os três foram identificados a partir das imagens das câmeras de segurança do quiosque Tropicália, onde ocorreu o crime, e aparecem no vídeo imobilizando, amarrando e espancando o congolês.

0

De acordo com o Tribunal de Justiça, na audiência de custódia de Brendon Alexander, após um breve depoimento, ele teve a prisão confirmada pelo juiz Rafael de Almeida Rezende.

“O mandado de prisão temporária foi regularmente expedido e está dentro do prazo de validade, não se tendo notícias de que a decisão tenha sido alterada posteriormente pelo juízo herbal. Considerando a regularidade do mandado de prisão, eventual pleito de revogação da prisão ou sua substituição pela modalidade domiciliar deve ser dirigido ao juízo herbal”, destacou o magistrado.

Na segunda audiência, de Fábio Pirineus da Silva, o juiz Pedro Ivo Martins Caruso D’Ippolito também manteve a prisão provisória, assim como a juíza Mariana Tavares Shu, que presidiu a audiência de custódia do terceiro indiciado, Aleson Cristiano de Oliveira Fonseca. Os dois  observaram os mesmos fundamentos apresentados na primeira sessão.



Supply hyperlink

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here