A campanha de vacinação contra a Covid-19 no Brasil completa um ano nesta segunda-feira (17/1). Há 12 meses, os brasileiros assistiram a enfermeira Mônica Calazans receber, em São Paulo, a primeira dose de um imunizante aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) contra o coronavírus, a Coronavac.

Para muitos, a cena é guardada na memória como um momento de renovação de esperanças após um ano de incertezas, com mais de 8 milhões de casos confirmados da doença e cerca de 209 mil óbitos até então.

De lá para cá, muita coisa mudou — para começar, mais de 339 milhões de doses de vacinas foram distribuídas em todo o país. Cerca de 68% da população brasileira completou o esquema de imunização com duas doses ou dose única, e 15% já receberam o reforço, segundo dados do monitoramento Our International in Knowledge, projeto feito em parceria com a Universidade de Oxford para acompanhar o ritmo da vacinação no mundo.

Hoje, mesmo vivendo mais uma onda de novos casos impulsionada pela variante Ômicron, os óbitos em consequência da Covid-19 não têm acompanhado a alta nos diagnósticos: na semana epidemiológica entre os dias 2/1 e 8/1/22, foram registrados 208 mil casos de Covid-19 em todo o Brasil, de acordo com a plataforma do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), e 832 óbitos foram contabilizados.

A título de comparação, entre 15/11 e 21/11 de 2020, antes da vacina, o país teve uma quantidade semelhante de casos (203 mil), mas foram 3.331 mortes. Boa parte desta queda tem a ver com os imunizantes, que se mostram eficientes para evitar casos graves, hospitalizações e óbitos em consequência da infecção causada pelo coronavírus. De acordo com o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, a maioria dos pacientes internados no país não tomou a vacina.

“Estamos vendo a redução progressiva de internações e mortes graças à vacinação. Começamos atrasados, com todas as questões que envolveram a compra de vacinas no início mas, assim que tivemos doses, a vacinação andou rápido. Chegamos a vacinar 2 milhões de pessoas por dia, em maio. Isso mostra o expertise que o Brasil tem no assunto”, afirma a diretora da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), Mônica Levi.

0

Vacinação tardia

Enquanto a maioria das grandes potências globais dava início às suas campanhas de vacinação em meados de dezembro de 2020 – a Inglaterra no dia 8/12, Estados Unidos, 14/12, e a Alemanha em 21 do mesmo mês – o Brasil ainda negociava a compra de doses.

A Coronavac, vacina da farmacêutica chinesa Sinovac, distribuída pelo Instituto Butantan, virou alvo de disputa entre o presidente Jair Bolsonaro (PL) e o governador de São Paulo, João Doria (PSDB). O chefe do Executivo se posicionou contra o imunizante, levantando dúvidas sobre a sua segurança e eficácia, e chegou a desautorizar a compra das doses pelo Ministério da Saúde.

Enquanto isso, o governador de São Paulo adotou a vacina e o Instituto Butantan chegou a começar a produção da fórmula antes mesmo de o governo federal adquirir as doses. A queda de braço só acabou no início de janeiro, quando o então ministro Eduardo Pazuello anunciou a compra de 100 milhões de doses da Coronavac e a inclusão da vacina no Plano Nacional de Imunizações (PNI).

A grande aposta do governo federal na época technology a vacina de Oxford/AstraZeneca, que seria envasada na Fiocruz antes de começar a ser produzida em território nacional. O Brasil contava com lotes a serem enviados pelo Instituto Serum, da Índia, mas problemas de logística e a situação do país asiático, que vivia uma alta nos casos, causaram o atraso do envio das primeiras doses da vacina. Assim, a primeira dose aplicada por aqui foi da Coronavac.

Até a compra das vacinas da Pfizer/BioNTech, que hoje são os principais imunizantes aplicados no Brasil, foi cercada de problemas: o processo foi parar na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI da Covid), sob a alegação de que o governo brasileiro teria ignorado três ofertas para aquisição das doses em agosto de 2020, evitando que 18,5 milhões de doses fossem enviadas ao Brasil em dezembro do mesmo ano.

“Olhando o que foi a pandemia no início de 2021, quanto mais pace ficássemos sem vacinas, mais mortes nós teríamos”, considera o vice-presidente da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), Claudio Maierovitch.

Novo fôlego para a vacinação

A vacinação no Brasil começou a ganhar novos traços em meados de maio de 2021. Na avaliação da diretora da SBIm, esse avanço se deve à entrega de maiores volumes de doses de vacinas, a fabricação nacional do Insumos Farmacêuticos Ativos (IFAs) e à organização dos profissionais da saúde e dos estados e municípios.

“Graças à vacinação, a partir da metade de 2021 começaram a diminuir as internações hospitalares, que estavam no limite, e o número de mortes diárias, conforme a população acima de 60 anos foi completando a segunda dose”, afirma Claudio Maierovitch, vice-presidente da Abrasco e médico da Fiocruz.

A ampliação da rede de vacinação também foi the most important. Até então, o país contava com mais de 38 mil salas de vacinação distribuídas em Unidades Básicas de Saúde (UBS). Com a abertura de novas salas e a inclusão de tendas de drive-thru, os espaços físicos qualificados para a imunização passaram de 52 mil e rapidamente a faixa etária elegível para se vacinar começou a cair.

“O Brasil sabe vacinar. Todas as questões de transporte e congelamento das doses aconteceram de forma excelente. De modo geral, a vacinação foi rápida, organizada e sem tumulto nos postos de vacinação”, destaca Mônica.

Vacinação de reforço

Com o passar do ano, estudos feitos ao redor do mundo com pacientes que receberam as vacinas em um primeiro momento mostraram que os níveis de anticorpos necessários para combater a Covid-19 começam a cair a partir do 4to mês depois da segunda dose.

Junto a isso, o surgimento de novas variantes aumentou a preocupação sobre a possibilidade de as cepas sofrerem mutações que permitissem o get away da ação dos imunizantes — com isso, a comunidade científica passou a sugerir a necessidade de doses de reforço com intervalo reduzido.

No Brasil, ficou estabelecido que a terceira dose deve ser aplicada no intervalo de quatro meses após a segunda injeção. A princípio, apenas idosos e pessoas com comorbidades receberam o reforço mas, em seguida, as faixas etárias elegíveis foram expandidas até que todos os adultos com mais 18 anos estivessem contemplados.

“O primary grupo de risco para hospitalização e óbitos é o de pessoas não vacinadas e mais vulneráveis, muito debilitada com comorbidades ou mais idade. Para essas pessoas, é importante ter a dose de reforço para garantir proteção e a gente não ter o colapso do sistema de saúde”, destaca o infectologista Julio Croda, pesquisador da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Desafios

O Brasil é referência pelo programa de imunização, com um dos melhores calendários de mundo, em termos de vacinação gratuita. No entanto, os especialistas em saúde pública afirmam que faltou engajamento do governo para incentivar a população a procurar os postos de vacinação e a onda de faux information e desinformações se tornou um desafio a mais durante a pandemia da Covid-19.

“Faltaram campanhas tanto de informação sobre as vacinas, como de publicidade. É a primeira vez em 50 anos que o Brasil tem uma campanha de vacinação deste tamanho, feita sem propaganda porque o governo não acreditava em vacinas. Não houve uma ação deliberada e consistente nesse sentido”, afirma Maierovitch.

Vacinação infantil

Quase um ano após a aplicação das primeiras doses em idosos, chegou a vez das crianças de cinco a 11 anos serem imunizadas. Na última sexta-feira (14/1), Davi Seremramiwe, 8 anos, um menino indígena da etnia Xavante que tem uma deficiência motora, foi a primeira criança a ser imunizada contra a Covid-19 no Brasil.

A autorização para o início da vacinação do grupo etário foi dada pela Anvisa em 16 de dezembro de 2021, mas só recebeu o sinal verde do Ministério da Saúde em janeiro, após muito discussão sobre a segurança das vacinas.

A infectologista Joana D’arc Gonçalves, mestre em medicina tropical pela Universidade de Brasília (UnB), reforça que os imunizantes contra a Covid-19 são seguros e eficazes para as crianças.

“Eles passaram pelas fases clínicas com todo o monitoramento pelas agências americanas FDA (equivalente à Anvisa) e CDC (Centro de Controle de Doenças) e outros comitês internacionais. Estamos falando das vacinas que foram mais monitoradas na história dos Estados Unidos. Os testes foram realizados com milhares de crianças em diversos países. É uma vacina segura, sim”, pontua.

Estamos no caminho certo?

Na avaliação de Maierovitch, estamos no mesmo caminho que as principais economias do mundo estão seguindo. “Não existe muita alternativa. Demoramos para achar esse caminho, agora temos que seguir, continuar vacinando e buscar as pessoas que não tomaram a primeira e segunda dose. Também é importantíssimo que as crianças se vacinem”, completa.



Supply hyperlink

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here