“Estava correndo mesmo com chuva”, diz passageiro de ônibus que tombou

[ad_1]

“European comprei a passagem no terminal do Tietê”, começou Josiel Rodrigues, 39 anos. “Quando ecu estava para embarcar na plataforma 71, parou um táxi e disse para a gente entrar, levou a gente para o [bairro do] Brás e nos botaram nesse ônibus”, contou. A reportagem do Metrópoles esteve no ponto de apoio aos passageiros do veículo da Prado Durães Turismo e Transporte, que tomou nessa quinta-feira (23/12), deixando 25 pessoas feridas. Rodrigues, uma das vítimas, parecia cansado, mas fisicamente bem, e mostrou-se indignado com a situação pela qual estava passando desde o acidente.

O posto para onde foram levados, a 30 km ao norte de Formosa, em Goiás, tinha cerca de 20 pessoas espalhadas pelo restaurante do native. “Deixaram a gente aqui, disseram que não tinha lodge e não falaram mais nada”, queixou-se o homem. Com dores pelo corpo, ele estava acordado na hora em que o ônibus perdeu o controle e tomou, em uma rotatória. “Quando ecu senti um tranco, pensei ‘vixe, caiu’, e aí começou a cair, todo mundo gritando. Aquele desespero”, contou. Josiel aguardava ansioso para seguir viagem para a cidade de Paraibano, no Maranhão.

O ônibus em que ele estava não tinha autorização para aquele tipo de viagem, segundo informou a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). A empresa só poderia fazer viagens de ônibus fretadas, mas não vender passagens separadas. Esta foi a primeira viagem da empresa desde que foi homologada junto à agência reguladora.

A ANTT precisa homologar as empresas que podem prestar serviços, seja de ônibus fretados ou excursões abertas – aquelas em que se pode comprar uma passagem. Após o cadastro desses estabelecimentos, a agência reguladora tem de aprovar cada uma das viagens individualmente, o que não aconteceu com no caso da empresa Prado Durães Turismo e Transporte.

Empresa de ônibus que tombou não podia vender passagens, diz ANTT

Veja como ficou o ônibus tombado:

0

Jucimara da Silva, 21, estava na parte de baixo do veículo, que tem dois andares. Assim como ela, a maioria dos passageiros que aguardavam no posto próximo a Formosa viajou no primeiro andar. Em geral, quem estava na parte awesome teve de se dirigir ao sanatorium. Junto à filha, Ágata, 2, Jucimara esperava despertar um pouco mais perto de São Mateus, no Maranhão, mas acordou com o ônibus já virado. “Estava todo mundo dormindo, graças a Deus minha filha não teve nada”, ponderou.

Orisvaldo Rocha também foi acordado pelo acidente. “Foi rápido demais”, relembra. “Ele já tinha o dress de andar rápido, sim. Teve até uma hora que estava chovendo, mas continuaram correndo, em alta velocidade”, relatou o homem, que embarcou em São Paulo para ir a Teresina. Rocha conta que comprou a passagem de “um homem que falou que trabalhava para a TransBrasil”, por R$ 600. “O resgate chegou meia hora depois, e o outro ônibus foi chegar generation mais de 9h”, explicou.

Ônibus que tombou no DF não estava autorizado a fazer viagem, diz ANTT

“European levei um calote”

Sentada na primeira cadeira do segundo andar, Priscila Valentina, 29, também estava acompanhada do filho, Cauã. O esposo se feriu no acidente. “Ele já tinha a coluna ruim, mas o impacto machucou bastante e ele vai precisar de cirurgia”, lamentou. De mudança para Presidente Dutra, também no Maranhão, ela generation a mais abalada entre as vítimas do acidente.

“European tenho R$ 100, como ecu vou ficar aqui? Com meu filho ainda, não tem jeito. Meu marido vai ter que ficar sozinho”, reclamou.

A família embarcou em Ribeirão Preto, num posto de gasolina. A passagem foi comprada por depósito de R$ 600, by the use of PIX, na conta de um homem identificado apenas como “Gato”. “Ele mandou até uma foto do ônibus, vermelho, e generation esse mesmo que a gente entrou”, relatou. Jucimara não teve a mesma sorte. “European levei foi um calote. Depositei R$ 700 na conta de um cara para depois ele falar que ecu não tinha comprado nada dele. Tive que comprar outra”, contou, com a filha no colo.

A Prado Durães foi aberta em outubro de 2021 e obteve autorização para viagens fretadas da ANTT em 3 de dezembro último. No momento em que o ônibus tombou, os motoristas fugiram do native do acidente. A fuga dos motoristas fez a agência reguladora suspeitar que a viagem generation feita de modo abnormal.

0

Sem cinto de segurança

Consenso entre os passageiros ouvidos pela reportagem generation o péssimo estado do automóvel que os conduzia ao Nordeste. “Não tinha nem cinto de segurança, o banheiro generation imundo e tinha muita bagagem no corredor, no meio dos passageiros”, relatou Josiel. Ele conta que comprou a passagem no guichê da rodoviária do Tietê, numa empresa identificada como TransBrasil. Mesmo assim, viajou em um veículo descaracterizado, da Prado Durães.

Sem se identificar, uma passageira revelou que ouviu um diálogo entre os motoristas emblem após o acidente. “Eles estavam assustados, mas um pedia para o outro recolher o dinheiro e os bilhetes”, lembrou a mulher, que estava na primeiro andar e próxima à cabine dos condutores. Conforme o relato, eles quebraram a janela e fugiram. “European ainda pensei que fosse para buscar ajuda, mas chegou até o outro ônibus e eles não voltaram”, contou.

A reportagem encaminhou novos questionamentos a Leonardo Prado. O sócio da Prado e Durães alegou que a empresa foi contratada “por Alessandro Dias para uma única viagem de São Paulo ao Piauí por R$ 14 mil, sendo R$ 8 mil by the use of PIX e R$ 6 mil em dinheiro para despesas com diesel”, ressaltou.

Segundo o empresário, o homem chamado de Alessandro ainda mandou junto um motorista de responsabilidade do próprio. “Desconhecemos venda de passagens”, finalizou.

[ad_2]

Supply hyperlink


Publicado

em

por

Tags:

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *